WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Neste site
janeiro 2020
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: ‘Teatro Popular de Ilhéus’

DOIS ESPETÁCULOS DE SALVADOR FAZEM DOBRADINHA TEATRAL NA TENDA TPI

Foto: Divulgação.

Os amantes das artes cênicas podem comemorar. Nos dias 23 e 24 de março (sábado e domingo) a Tenda Teatro popular de Ilhéus será palco de dois espetáculos baianos incríveis: “Entre Nós – Uma comédia sobre diversidade” e “EGOTRIP – Ser ou não ser? Eis a comédia”.

As duas montagens são dirigidas por João Sanches e contam com elencos estelares da nova geração do teatro da Bahia. A produção é da Quatro Produções Artísticas.

Às 18h Igor Epifânio e Anderson Dy Souza vivem em “Entre Nós – uma comédia sobre diversidade” uma reflexão bem irônica sobre os diversos temas e afetos do mundo atual: família, estudo, trabalho, política, amor e sexualidade. Tudo com muito bom humor. A peça traz à tona o tema diversidade e discute o respeito às diferenças.

Selecionado pelo Edital Setorial de Culturas identitárias 2016 da Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia, este espetáculo foi apresentado para mais de 30 escolas, 17 teatros, dois países, 17 cidades, em nove estados brasileiros, somando um público de 100 mil pessoas. “O espectador sempre nos emociona. As reações apaixonadas da plateia nesses anos foram muito surpreendentes e continuam sendo. A aceitação entusiasmada do público talvez seja o que pode haver de mais gratificante para um artista. Além disso, acredito que todos avanços nos direitos humanos são conquistas que demandam empenho permanente e, por isso, vale sempre a pena continuar promovendo a reflexão, o respeito e o amor”, afirma o diretor do espetáculo João Sanches. :: LEIA MAIS »

TEATRO POPULAR DE ILHÉUS RECEBE TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTADUAL

Tenda Teatro Popular de Ilhéus, armada na avenida Soares Lopes. Foto: Felipe de Paula.

Tenda Teatro Popular de Ilhéus, armada na avenida Soares Lopes. Foto: Felipe de Paula.

O Teatro Popular de Ilhéus (TPI) recebeu o título de utilidade pública estadual, através da Lei número 13.000 de 20 de março de 2014. O ato que reconhece a relevância dos trabalhos da organização não governamental ilheense foi publicado no Diário Oficial do Estado da Bahia da última sexta-feira (21). A aprovação pela Assembleia Legislativa deu-se a partir do projeto de lei 20.464/2013, encaminhado pela deputada estadual Neusa Cadore.
A declaração de utilidade pública estadual foi comemorada pelos membros do TPI. “Desde a idealização do grupo por Équio Reis, há mais de 18 anos, todos os nossos espetáculos, cursos, oficinas e projetos são voltados para a nossa comunidade, reforçando a identidade cultural da região, promovendo o pensamento crítico e o diálogo com múltiplas linguagens”, declarou o diretor artístico Romualdo Lisboa.
Além do título estadual, o Teatro Popular de Ilhéus foi declarado como utilidade pública municipal pela Lei 3.005 de 03 abril de 2003, um ano após da formalização enquanto entidade jurídica sem fins lucrativos. No ano de 2007, a deputada estadual Ângela Sousa conseguiu a inclusão do grupo na Lei Autorizativa Estadual, permitindo a captação de recursos e celebração de convênios com o governo estadual.
O Teatro Popular de Ilhéus está aguardando a tramitação da declaração de utilidade pública federal. O requerimento do título já foi encaminhado à Secretaria Nacional de Justiça, setor do Ministério da Justiça responsável pela qualificação das entidades sociais.

ESPETÁCULOS NA TENDA DO TEATRO POPULAR DE ILHÉUS

A peça Auto do Boi estará em cartaz hoje, a partir das 20h. Foto: Karoline Vital.

A peça Auto do Boi da Cara Preta estará em cartaz hoje, a partir das 20h. Foto: Karoline Vital.

O palco da Tenda Teatro Popular de Ilhéus receberá dois espetáculos nesta semana. Na quinta-feira (19), estará em cartaz o musical infanto-juvenil Auto do Boi da Cara Preta, às 20 horas. E a Cia. de Dança Sôanne Marry estreia Casa de Farinha. A montagem será apresentada às 20 horas de sexta-feira e sábado (20 e 21) e às 19 horas do domingo (22). As entradas custam R$ 20 a inteira e R$ 10 para estudantes, idosos e titulares do Cartão TPI.
O espetáculo da Cia. Boi da Cara Preta traz a animação e o colorido da festa do bumba meu boi para contar como surgiu a canção de ninar mais entoada do Brasil. O texto de Romualdo Lisboa narra as aventuras do vaqueiro Mateus para tentar agradar sua mulher Catarina, grávida e desejando a língua do boi do temido coronel Firmino. Para alcançar seu objetivo, ele acaba encontrando diversos personagens da cultura nordestina. A direção musical é de Elielton Cabeça e a direção geral de Tânia Barbosa.
Casa de Farinha mostra as dores e alegrias dos escravos traduzidas na dança, teatro e música. A montagem da Cia. de Dança Sôanne Marry e do Ballet Folclórico IFBA campus Ilhéus é inspirado nos livros Farinha, Madeiras e Cabotagem: a capitania de Ilhéus no antigo sistema colonial, do historiador Marcelo Henrique Dias, e Tambores de Angola, de Robson Pinheiro.
Segundo a diretora do espetáculo, Sôanne Marry, quando se fala em escravidão, a primeira lembrança da mancha histórica é o sofrimento dos cativos. Mas, apesar das amarguras, os negros também cantavam e dançavam. “As casas de farinha dos engenhos eram subsídio de trabalho e também de divertimento”, complementou.

EDITORA MONDRONGO LANÇA O LIVRO 1789

1789
Está à venda o livro 1789, obra de Romualdo Lisboa , que deu origem à montagem da peça homônima do Teatro Popular de Ilhéus.
Vale observar que o dramaturgo e escritor aproveitou um episódio quase desconhecido na história brasileira, para tecer um texto onde a verdade, segundo ele “não se põe com o sol, mas amanhece com o peito cheio de orvalho, pronta, novamente, para beijar a boca da solidariedade universal”.
Para adquirir um exemplar basta clicar AQUI

MUSICAL “AUTO DO BOI DA CARA PRETA” DE QUINTA À SÁBADO NA TENDA DO TPI

Foto: Karoline Vital

Foto: Karoline Vital

O musical infanto-juvenil “Auto do Boi da Cara Preta” será o segundo espetáculo apresentado em comemoração aos 18 anos do Teatro Popular de Ilhéus (TPI). A montagem da Cia. Boi da Cara Preta, Núcleo Infanto-juvenil do TPI, traz a alegria e o colorido dos festejos do bumba meu boi.
A peça estará em cartaz de quinta-feira à sábado (08 a 10), sempre às 20h, na tenda montada na avenida Soares Lopes, em Ilhéus. As entradas custam R$ 20 e R$ 10.
Estreada no final de 2007, o espetáculo ganhou nova roupagem em novembro do ano passado, com mais personagens e canções. A peça é inspiradaa no bumba meu boi de seu Oreco, do povoado ilheense de Urucutuca. O elenco de jovens atores e atrizes cantam, dançam e executam a trilha sonora ao vivo. Vários sons nordestinos, como as cantigas das lavadeiras, o aboio dos vaqueiros, o xaxado e o coco se misturam ao rock e ao blues, sob a direção musical de Elielton Cabeça.
A história, escrita por Romualdo Lisboa, apresenta uma versão de como surgiu a canção de ninar “Boi da Cara Preta”. Narrada pelo próprio boi, a peça mostra a busca do vaqueiro Mateus em atender aos desejos de sua esposa Catarina. Ela está grávida e anseia pela língua do boi que pertence ao austero e temido coronel Firmino. A partir desta premissa, começam as divertidas peripécias e desventuras dos protagonistas.
Para a diretora geral, Tânia Barbosa, o musical Auto do Boi da Cara Preta é uma celebração da cultura popular que agrada todas as idades. “A montagem uma homenagem às tradições, mostrando ao público jovem como os pais, avós e bisavós se divertiam. E os mais velhos podem matar a saudade dos folguedos que participavam”, afirmou.
OFICINA DE MÚSICA GRATUITA – Neste sábado (10), o professor Ricardo Maciel ministrará oficina de harmonia e improvisação, das 14 às 16 horas, na Tenda do TPI. A iniciativa será gratuita e será voltada a todos os instrumentos musicais. Entre os assuntos trabalhados estão: formação de escalas, acordes, campo harmônico, modos gregos e arranjos aplicados em música popular. Haverá sorteios de um violão, um cavaquinho e outros brindes surpresas. O projeto tem apoio das Lojas Wense.

CONTINUAM ABERTAS INSCRIÇÕES PARA CURSOS E OFICINAS NA TENDA DO TPI

Foto: Karoline Vital

Foto: Karoline Vital

A Tenda do Teatro Popular de Ilhéus segue com inscrições abertas para cursos e oficinas artísticas. Atualmente, há vagas para bateria e percussão, violão e guitarra, dança afro, capoeira e acrobacia aérea em tecido. Neste mês, haverá ainda o projeto de intercâmbio Chamgement, com aulas de dança de salão, e a oficina gratuita de harmonia e improvisação. Mais informações pelo telefone (73) 4102-0580 ou no espaço cultural, das 14 às 18 horas.
Na manhã desta quinta-feira (1º), a professora Paula ofereceu aula experimental de acrobacia aérea em tecido. Foram 13 participantes, introduzidos às técnicas dos movimentos acrobáticos e exercícios de alongamento. Para a artista circense Flávia Farias, a aula foi uma oportunidade de atualização. “Fazia cinco anos que eu não praticava esse número e, nessa primeira aula, pude reformular meu trabalho, aprendendo posições novas, além de diferentes formas de alongar o corpo”, declarou.
Para participar das aulas de acrobacia aérea em tecido não é exigida experiência. Até mesmo crianças, com idade superior a oito anos, podem aprender a técnica circense. As aulas serão ministradas todas as segundas e quartas-feiras, das 9 às 11 horas, na Tenda do Teatro Popular de Ilhéus. A mensalidade custa R$ 60.
A oficina de harmonia e improvisação, oferecida pelo professor Ricardo Maciel, acontecerá no dia 10 de agosto, das 14 às 16 horas. A iniciativa será gratuita e abrange todos os instrumentos musicais, com formação de escalas, acordes, campo harmônico, modos gregos e arranjos aplicados em música popular. Ele também ministra as aulas de violão e guitarra, que acontecem às quartas-feiras às 16 horas. A mensalidade custa R$ 80.
O curso de bateria e percussão com o professor Sabará acontece às sextas-feiras com turmas às 9 horas e às 14 horas. A mensalidade custa R$ 40. As aulas de dança afro-brasileira, com Neide Rodrigues, são ministradas às terças-feiras às 16 horas e aos sábados às 10 horas. O custo mensal é de R$ 50 ou a aula avulsa por R$ 15.
E o curso de capoeira, oferecido pelo Mestre Virgílio, já vem acontecendo no espaço cultural desde julho, mas com vagas abertas para novos alunos. Os encontros são todas as segundas-feiras, às 18 horas e custa R$ 30 por mês.

ILHÉUS: NELSON COSTA RECEBE VISITA DO CINECLUBE ÉQUIO REIS

cinema
Depois de visitar Nossa Senhora da Vitória, Basílio e Conquista, o Cineclube Équio Reis Itinerante termina sua circulação no bairro Nelson Costa. Na noite desta terça-feira (30), será exibido o documentário Muito além do peso.
A projeção começa às 19 horas, na sede da Filarmônica Capitania dos Ilhéos, com entrada franca. A iniciativa é do Núcleo de Produção Audiovisual do Teatro Popular de Ilhéus com apoio da comunidade local.
O filme que será exibido nesta terça-feira mostra o drama de crianças que sofrem de doenças típicas de adultos, como problemas cardíacos e diabetes. O longa-metragem discute também a obesidade infantil, apontando os motivos de 33% dos pequenos brasileiros estarem acima do peso. O documentário dirigido por Estela Renner é livre para todos os públicos.
O Cineclube Équio Reis acontece desde 2009, exibindo filmes uma vez por semana sempre com entrada franca. Em novembro de 2012, foi estabelecida parceria com a Universidade Estadual de Santa Cruz, passando a exibir produtos realizados ou apoiados pelo Curso de Comunicação Social. No mês de agosto, o projeto volta a exibir trabalhos dos acadêmicos.

CULTURA EM ILHÉUS: SESSÃO DE “1789” DARÁ MEIA-ENTRADA A TODOS HOJE

ESPETÁCULO (2)
O Teatro Popular de Ilhéus declara seu apoio aos milhares de brasileiros que pararam suas atividades e estão nas ruas em protesto ao tratamento dado pelo poder público. Para isso, a sessão desta quinta-feira (11) do espetáculo 1789 concederá o direito à meia-entrada a todo o público, que pagará apenas R$ 10. A apresentação começa às 20 horas, na Tenda do TPI, na Avenida Soares Lopes.
A montagem 1789 tem muito em comum com a série de manifestações desta quinta-feira. Assim como a comunidade, que grita em protesto aos descasos sofridos, os protagonistas da peça mostram sua força diante ao tratamento abusivo e buscam justiça. O espetáculo compara o histórico levante dos escravos do Engenho de Santana, ocorrido entre 1789 e 1791, ao dilema dos operários de uma fábrica de processamento de cacau, em 2089.
O texto e a direção geral de 1789 é de Romualdo Lisboa, trilha sonora e direção musical de Elielton Cabeça, coreografia de Zebrinha e maquiagem de Guto Pacheco. A produção é assinada por Pawlo Cidade, através da Associação Comunidade Tia Marita. O espetáculo segue em cartaz até o dia 27 deste mês, com sessões de quarta a sábado.

dom eduardo

lm mudancas













WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia