WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
ilheus brindes
julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

:: ‘racismo’

VÍDEO MOSTRA REAÇÕES DISTINTAS DE QUANDO UM BRANCO E UM NEGRO, SUPOSTAMENTE, TENTAM ROUBAR UM CARRO

Isso foi nos Estados Unidos. E no Brasil, onde supostamente impera a chamada “democracia racial”, será que a reação seria a mesma?

 

SITES COM CONTEÚDO NAZISTA AUMENTARAM 550% EM NOVE ANOS NO BRASIL

Segunda antropóloga, os grupos neonazistas eram predominantes no sul do país, mas nos últimos anos têm crescido vertiginosamente no Distrito Federal, em Minas Gerais e em São Paulo.

Segundo antropóloga, os grupos neonazistas eram predominantes no sul do país, mas nos últimos anos têm crescido vertiginosamente no Distrito Federal, em Minas Gerais e em São Paulo.

O crescimento do número de simpatizantes neonazistas tem se tornado uma tendência internacional. É o que aponta um monitoramento da internet realizado pela antropóloga e pesquisadora da Unicamp, Adriana Dias. De 2002 a 2009, o número de sites que veiculam informações de interesse neonazistas subiu 170%, saltando de 7.600 para 20.502. No mesmo período, os comentários em fóruns sobre o tema cresceram 42.585%.
Nas redes sociais, os dados são igualmente alarmantes. Existem comunidades neonazistas, antissemitas e negacionistas em 91% das 250 redes sociais analisadas pela antropóloga. E nos últimos 9 anos, o número de blogs sobre o assunto cresceu mais de 550%.
Adriana Dias trabalha há 11 anos mapeando grupos neonazistas que atuam na internet e também no mundo não virtual. Devido ao conhecimento construído, a pesquisadora já prestou consultoria para a Polícia Federal e para serviços de inteligência de Portugal, Espanha e outros países.
BRASIL – Segunda Adriana, os grupos neonazistas eram predominantes no sul do país, mas nos últimos anos têm crescido vertiginosamente no Distrito Federal, em Minas Gerais e em São Paulo. Ela vem mapeando o número de internautas que baixam arquivos de sites neonazistas e considera simpatizantes aqueles que já fizeram mais de 100 downloads. Por esse critério, seus dados de 2013 apontam que há aproximadamente 105 mil neonazistas na região Sul.
No caso de Minas Gerais, os movimentos parecem ter ganhado fôlego em 2009, como forma de responder ao assassinato de Bernardo Dayrell Pedroso. Fundador da revista digital “O Martelo”, ele era uma referência do movimento neonazista na cidade. Acabou morto em um evento no município de Quatro Barras (PR), por uma outra gangue de skinheads neonazistas que via em Bernardo uma barreira para sua ascensão.
:: LEIA MAIS »

EM QUADRINHOS, A DESCONCERTANTE LÓGICA DO ROLEZINHO

rolezinho

COLÉGIO PEDE QUE ALUNO CORTE CABELO CRESPO E NÃO REMATRICULA GAROTO

BAHIA NOTÍCIAS
crespoUm colégio em Guarulhos, na Grande São Paulo, pediu que um de seus alunos cortasse o cabelo crespo.Com a negativa da mãe, o menino não pôde ser rematriculado na escola Cidade Jardim Cumbica.
Maria Izabel Neiva relatou ao Bom Dia Brasil que recebeu em agosto um bilhete da professora do filho, com um pedido para que o garoto usasse um corte de cabelo mais curto, que não caísse no olho.
“Vim conversar com ela [diretora] pessoalmente, passei umas duas ou três horas, e falei que não atrapalha em nada o cabelo dele. Ele enxerga normalmente, o cabelo não está no olho, não atrapalha em nada. Mas ela disse que ‘atrapalha os colegas a enxergar a lousa’. Ela [diretora] falou que o cabelo dele ‘é crespo, cheio e inadequado. Venhamos e convenhamos, mãe’”, contou.
De acordo com a mãe de Lucas Neiva, de 8 anos, a diretora alegou ainda que [esse tipo de] “cabelo [black power] não é usado no colégio pelos alunos”. A Polícia Civil abriu inquérito por racismo.

MAIS DE 300 ANOS APÓS A MORTE DE ZUMBI, O NEGRO AINDA SOFRE DISCRIMINAÇÃO

AGÊNCIA BRASIL
brasil
Comemorado hoje (20), data da morte de Zumbi dos Palmares, o Dia da Consciência Negra deve servir para que os brasileiros reflitam sobre a desigualdade, a intolerância e o preconceito ainda existentes na sociedade. É o que revela nota técnica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) ao mostrar, por exemplo, que, em Alagoas, os homicídios reduziram a expectativa de vida de homens negros em quatro anos.
A nota Vidas Perdidas e Racismo no Brasil aponta que, além de Alagoas, estados como o Espírito Santo e a Paraíba concentram o maior número de negros vítimas de homicídio. ““Enquanto a simples contagem da taxa de mortos por ações violentas não leva em conta o momento em que se deu a vitimização, a perda de expectativa de vida é tanto maior quanto mais jovem for a vítima”, revela o estudo.
Os autores Daniel Cerqueira e Rodrigo Leandro de Moura, ambos da Fundação Getulio Vargas (FGV), analisaram até que ponto as diferenças nos índices de mortes violentas de negros e não negros estão relacionadas com questões como as diferenças econômicas, ao racismo e de ordem demográfica. “O componente de racismo não pode ser rejeitado para explicar o diferencial de vitimização por homicídios entre homens negros e não negros no país”, concluiram os pesquisadores da FGV.
Considerando o universo dos indivíduos vítimas de morte violenta no país entre 1996 e 2010, o estudo mostra que, para além das características socioeconômicas – escolaridade, gênero, idade e estado civil –, a cor da pele da vítima, quando preta ou parda, aumenta a probabilidade do mesmo ter sofrido homicídio em cerca de oito pontos percentuais.
“O negro é duplamente discriminado no Brasil, por sua situação socioeconômica e por sua cor de pele”, dizem os técnicos. No estudo, eles concluem que essas discriminações combinadas podem explicar a maior prevalência de homicídios de negros quando comparada aos índices do restante da população.
Coincidentemente, Alagoas, líder de mortes violentas, especialmente o homicídio, contra negros e pardos também simboliza a luta dos africanos escravizados trazidos da África, no século 19, para trabalhar nos canais. A personificação desta luta que, pelos índices apresentados no estudo do Ipea, ainda perdura é Zumbi dos Palmares. Alagoano de nascença e natural de União dos Palmares, Zumbi – duende na língua do povo Banto, de Angola – liderou o maior quilombo do país.
Aos 7 anos, em 1670, ele foi capturado por soldados e entregue ao padre Antônio Melo, responsável por sua formação. Com o passar do tempo, Zumbi, batizado na Igreja Católica com o nome de Francisco, fugiu para o Quilombo dos Palmares onde impressiona os demais escravos fugidos de fazendas de engenho pela sua habilidade em lutas. Aos 20 anos, ele já tinha se tornado o maior estrategista militar e guerreiro, responsável pela derrota imposta pelos quilombolas na luta contra soldados fiéis ao império português.

SOBRINHO DO PREFEITO DE CANAVIEIRAS FAZ DECLARAÇÕES RACISTAS NO FACEBOOK

conversa
Um cidadão do município de Canavieiras resolveu lançar um questionamento no Facebook, ante o que o prefeito Almir Mello afirmou em uma rádio local, sobre o que a população poderia esperar dos festejos de fim de ano da aprazível cidade: “Um reveillon no nível de Canavieiras”.
Na rede social, o morador da cidade perguntou o que viria a ser um reveillon no nível do município.
Foi aí que a história começou.
Incomodado com o questionamento, o sobrinho do prefeito, um cidadão identificado por Francisco Mello, retrucou de maneira execrável e racista: “KKKKK…. só rindo com essas neguice sua”.
Como assim neguice? Eis que ficamos a nos questionar. Será que o fato do cidadão usar da sua liberdade de expressão nas redes sociais para questionar a prefeitura de sua cidade, é motivo para ser achincalhado publicamente? Pior, com teores claramente racistas.
Pois é, pelo visto sim. E isso na nossa Bahia, estado de maior concentração de afrodescendentes declarados do país.
Os senhores de engenho mudam, mas os resquícios da ignorância infelizmente perduram.
Cremos nós que atitudes como essa só ajudam a manchar a imagem do prefeito.
Lamentável.

O FANTÁSTICO RACISMO DA REDE GLOBO

DOUGLAS BELCHIOR/CARTA CAPITAL
MazzeoNas últimas semanas escrevi dois textos sobre a relação entre meios de comunicação, publicidade e humor e a prática de racismo, o primeiro provocado por uma peça publicitária de divulgação do vestibular da PUC-PR e o segundo por conta de um programa de humor que ridicularizava as religiões de matriz africana. Hoje, graças a Rede Globo de televisão, retorno ao tema.
Neste domingo 3 de novembro o programa Fantástico, em seu quadro humorístico “O Baú do Baú do Fantástico”,  exibiu um episódio cujo tema é muito caro para a história da população negra no Brasil. (ASSISTA AQUI)
Passado mais da metade do programa, eis que de repente surge a simpática Renata Vasconcellos. Sorriso estonteante ainda embriagado pela repentina promoção: “Vamos voltar no tempo agora, mas voltar muito: 13 de maio de 1888, no dia em que a Princesa Isabel aboliu a escravidão. Adivinha quem tava lá? Ele, o repórter da história, Bruno Mazzeo!”
O quadro, assinado por Bruno Mazzeo, Elisa Palatnik e Rosana Ferrão, faz uma sátira do momento histórico da abolição da escravidão no Brasil. Na “brincadeira” o repórter entrevista Joaquim Nabuco, importante abolicionista, apresentado como líder do movimento “NMS – Negros, mulatos e simpatizantes”!
Princesa Isabel também entrevistada, diz que os ex-escravos serão amparados pelo governo com programas como o “Bolsa Família Afrodescendente”, o “Bolsa Escola – o Senzalão da Educação” e com Palhoças Populares do programa “Minha Palhoça, minha vida”!
“Mas por enquanto a hora é de comemorar! Por isso eles (os ex-escravos) fazem festa e prometem dançar e cantar a noite inteira…” registra o repórter, quando o microfone é tomado por um homem negro que, festejando, passa a gritar: “É carnaval! É carnaval!”
:: LEIA MAIS »

COMPARAÇÃO DE CERVEJA A NEGRA CAUSA POLÊMICA E GERA PROCESSO

devassa (2)
O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça abriu um processo administrativo contra a Brasil Kirin Indústria de Bebidas devido ao slogan de uma propaganda da cerveja Devassa e pode multar a companhia em até R$ 6 milhões. 
“É pelo corpo que se conhece a verdadeira negra”, foi a mensagem da bebida publicada em anúncios da “Devassa – Tropical Dark” em revistas entre os
anos de 2010 e 2011, ao lado da ilustração de uma mulher negra seminua. 
De acordo com o diretor do DPDC, Amaury Oliva, a ação foi motivada por uma representação do Procon do Estado do Espírito Santo, que recebeu a denúncia ainda em 2011. “O Código de Defesa do Consumidor também protege os consumidores da publicidade abusiva”, disse o diretor. 
“A publicidade é um indicativo da ética das empresas. A liberdade de iniciativa não pode ferir os direitos do consumidor”, completou. 
Outros órgãos do governo, como a Secretaria de Políticas para as Mulheres e a Secretaria de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial, também foram consultadas pelo DPDC. “As secretarias consideraram que a publicidade reforça a discriminação de gênero e os estereótipos racistas. Além disso, o Conselho Federal de Psicologia considerou que a propaganda estimula este tipo de comportamento”, disse Oliva. 
A empresa tem dez dias para apresentar sua defesa final ao DPDC. Nas fases preliminares da investigação, a Brasil Kirin negou que a propaganda seja abusiva e alegou que nem mesmo o Conar – órgão de autorregulamentação da publicidade no País – recomendou que a propaganda deixasse de ser veiculada. 
“Mas temos sérios indícios de publicidade abusiva em razão do conteúdo discriminatório da mensagem e o departamento irá punir com rigor sempre que exista este tipo de abuso”, completou o diretor. Segundo ele, este é o primeiro processo dessa natureza aberto contra a cervejaria que fabrica a marca Devassa.

MOTORISTA ACUSA ADVOGADO DE RACISMO EM ITABUNA

“Nunca passei por isso na minha vida”. Foto: Oziel Aragão/Plantão Itabuna

“Nunca passei por isso na minha vida”. Foto: Oziel Aragão/Plantão Itabuna

Preconceito racial é crime e pode estar presente em velhas frases como “preto quando não obra na entrada, obra na saída”. Exemplo do poder ofensivo e descriminatório da frase pode ser visto num caso revelado nesta quinta (03) pelo site Plantão Itabuna:
O motorista Girlan Silva de Souza, de 38 anos, registrou queixa na manhã desta quinta-feira (3) contra um suposto advogado ainda não identificado pelo crime de racismo. Segundo a vítima, por volta das 05:30, ele  levava o irmão em um veículo Corsa para o trabalho, quando quase se envolve em um acidente com o condutor de um Fiat Uno de cor prata, no Centro de Itabuna. “Eu buzinei para lhe avisar que estava passando, ele não ouviu e quase bate, depois me xingou várias vezes de negro e proferindo que Negro quando não caga na entrada, caga na saída”, recorda.
De acordo com Girlan Souza, ele não “partiu para cima” do suposto advogado por conta da idade, pois seria um homem de aproximadamente 60 anos. Porém, não pretende deixar a ofensa de lado e fingir que não aconteceu nada. “Vou até o fim, nunca fui tão humilhado na minha vida”, conclui.

FIFA VETA ATORES NO SORTEIO DA COPA E É ACUSADA DE RACISMO

Camila Pitanga e Lázaro Ramos: barrados pela Fifa.

Camila Pitanga e Lázaro Ramos: barrados pela Fifa.

Uma decisão do Comitê Organizador Local (COL), que cuida dos preparativos para a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, causou polêmica. Após os nomes dos atores Lázaro Ramos e Camila Pitanga terem sido vetados para apresentar o evento de sorteio dos grupos da competição, internautas estão acusando a Fifa de racismo.
De acordo com um dos jornalistas da revista “Veja”, o COL negou as acusações e justificou a recusa alegando que tratava-se de um evento esportivo, não de uma novela global.

A entidade alega que a escolha por outros nomes não tem nenhuma ligação com questão racial e informou que prefere “um nome mundial mais forte”, já que o sorteio dos grupos serão transmitidos para todo o mundo.

O fato, no entanto, gerou indignação nos internautas não apenas pela recusa dos dois atores globais, que são negros, mas pelo fato de a própria Fifa ter escolhido a apresentadora Glenda Kozlowski, também funcionária da Rede Globo, para apresentar o sorteio da Copa das Confederações, em 2012.

dom eduardo

arquiteto













WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia