WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
bahiagas Neste site
novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

:: ‘maconha’

SALVADOR TERÁ PELA 1ª VEZ COMPRA DE REMÉDIO À BASE DE MACONHA PARA TRATAR GRAVE EPILEPSIA

Prefeitura lançou convocação para pesquisa de preço. Paciente beneficiado pela decisão já chegou a apresentar 40 convulsões por dia. Foto: Reuters/Ivan Alvarado.

A partir de uma decisão judicial, a Secretaria de Saúde de Salvador (SMS) lançou uma convocação de cotação de preço para a compra do medicamento Revivid Tincture, feito à base do canabidiol, uma das substâncias derivadas da maconha (cannabis sativa).

A convocação foi feita na terça-feira (20) e publicada no Diário Oficial do Município (DOM) na quarta-feira (21). As empresas interessadas podem apresentar as propostas de preço até a sexta-feira (23).

Segundo a SMS, essa é a primeira vez que a prefeitura irá ofertar o medicamento na capital. O paciente beneficiado, que não teve a identidade divulgada, fará o uso do canabidiol para o tratamento de grave epilepsia.

:: LEIA MAIS »

EMPRESA LANÇA CAMISINHA COM SABOR DE MACONHA

CAMISNHAS
A empresa Multihight teve uma ideia inusitada para aplicar ramo dos preservativos sexuais. 
Pensando em inovar e mirando no público que curte um sexo seguro com sabores diferentes, ela lançou camisinhas com sabor de maconha.
A Cannadom (cannabis + condom; preservativo, em inglês) reproduz o sabor da planta.
Um pacote contendo 50 exemplares será vendido por R$ 160.
Ah, as camisinhas são verdes!
Para quem não gostou da ideia, outras empresas oferecem produto similar nos sabores bacon, pipoca, alho, uísque..

JUIZ CONSIDERA MACONHA ‘RECREATIVA’ E ABSOLVE TRAFICANTE CONFESSO EM BRASÍLIA

FOLHA DE SP
Um réu confesso do crime de tráfico de drogas foi absolvido após um juiz de Brasília considerar a maconha uma droga “recreativa” e que não poderia estar na lista de substâncias proibidas, utilizada como referência na Lei de Drogas.
A decisão, do juiz Frederico Ernesto Cardoso Maciel, da 4ª vara de Entorpecentes de Brasília, foi tomada em outubro e o Ministério Público recorreu. Na sentença, o juiz compara o uso da maconha com o cigarro e álcool, para concluir que há uma “cultura atrasada” no Brasil.
“Soa incoerente o fato de outras substâncias entorpecentes, como o álcool e o tabaco, serem não só permitidas e vendidas, gerando milhões de lucro para os empresários dos ramos, mas consumidas e adoradas pela população, o que demonstra também que a proibição de outras substâncias entorpecentes recreativas, como o THC, são fruto de uma cultura atrasada e de política equivocada e violam o princípio da igualdade, restringindo o direito de uma grande parte da população de utilizar outras substâncias”, diz o juiz, na sentença.
Ele cita vários exemplos que comprovariam o uso da maconha como droga recreativa e medicinal, além do baixo potencial noviço. A sentença exemplifica os casos do Uruguai, Califórnia e até a posição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
LISTA PROIBIDA
Maciel entendeu que não houve justificativa para a inclusão do THC, substância da maconha, na lista proibida. O juiz afirmou que, como essa lista restringe o direito das pessoas usarem substâncias, essa inclusão deveria ser justificada.
“A portaria 344/98, indubitavelmente um ato administrativo que restringe direitos, carece de qualquer motivação por parte do Estado e não justifica os motivos pelos quais incluem a restrição de uso e comércio de várias substâncias, em especial algumas contidas na lista F, como o THC, o que, de plano, demonstra a ilegalidade do ato administrativo”, escreveu na sentença.
No caso concreto, o réu confesso foi pego em flagrante, dentro do presídio da Papuda, com 52 porcões de maconha dentro do estômago, que seria repassada a um presidiário. Ele assumiu o crime, pediu pena mínima e acabou absolvido. 

MAIS UMA CIDADE APROVA COMÉRCIO LEGAL DE MACONHA

maconha (1)
Quarta maior cidade da Itália, Turim se tornou a primeira a aprovar a liberalização da maconha para fins recreativos no país. A medida passou pela Câmara Municipal nesta terça-feira por uma estreita margem: 15 votos a favor, 13 contra e seis abstenções.
Os parlamentares votaram em duas propostas. A primeira prevê o uso de cannabis para fins terapêuticos, seguindo o exemplo das regiões da Toscana, Vêneto e Ligúria, que já aprovaram a prática. A segunda pede ao Parlamento a abolição da lei Fini-Giovanardi – considerada por muitos analistas restritiva e a causa da superlotação nas prisões – e dá sinal verde para produção e venda direta da substância para fins recreativos.
O pioneirismo de Turim pode influenciar outras cidades italianas a seguirem o mesmo caminho. Segundo o legislador Marco Grimaldi, Milão já pediu acesso ao documento aprovado para estudá-lo.
Um dos principais objetivos é mudar de um estilo proibitivo a uma postura para produção legal e distribuição das drogas consideradas leves, como a cannabis e seus derivados.

COMISSÃO DO SENADO URUGUAIO APROVA LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

Projeto segue para o plenário e deverá ser votado na semana que vem.

Projeto segue para o plenário e deverá ser votado na semana que vem.

A Comissão de Saúde do Senado do Uruguai aprovou na noite da última quinta-feira (26) o projeto de legalização da compra e venda e cultivo de maconha que tinha sido aprovado anteriormente na Câmara dos Deputados. Agora, o projeto segue para o plenário, onde deverá ser votado na semana que vem.
O presidente da Comissão de Saúde, o senador Alfredo Solari, do opositor Partido Colorado, disse à rádio El Espectador que a aprovação do projeto -possível pelos votos da governista Frente Ampla (FA) – deixa “um sabor muito amargo pela irresponsabilidade com que foi conduzido” pelo bloco governamental. Segundo ele, é um projeto de “quarenta e tantos artigos onde todos eles, praticamente, têm observações, algumas não tão importantes, mas outras muito, com casos de inconstitucionalidade”, afirmou.
“No entanto, [o projeto] foi votado assim como veio da Câmara dos Deputados para que não tivesse que voltar a esta casa porque nela não estão assegurados os votos para que pudesse passar”, acrescentou.
O senador Robert Conde, um dos integrantes do FA na Comissão de Saúde, disse à Agência Efe que o plano governamental “não tem nenhuma inconstitucionalidade, somente um artigo onde se coloca a necessidade de que a educação sobre drogas seja incorporada à educação secundária pública”.
“Entende-se que pode estar invadindo a autonomia das autoridades da educação”, mas estas “podem tomar o espírito do artigo e aplicá-lo como elas entenderem melhor dentro do campo de sua autonomia”, argumentou.
A oposição também critica a criação de um Instituto de Regulação da Cannabis (IRCA), com funções de supervisão, e a nomeação de um titular. O órgão será responsável por emitir licenças e controlar a produção e a distribuição da maconha.
Os consumidores registrados poderão comprar maconha em farmácias especialmente habilitadas, até um máximo de 40 gramas por mês, ou cultivar em casa até seis plantas que produzam não mais de 480 gramas por colheita.
A Constituição uruguaia, porém, impede a criação de cargos públicos um ano antes de eleições. As próximas estão previstas para outubro de 2014. De acordo com o senador governista, o instituto é “público, mas, de direito privado” e não se encaixaria nesta norma.
A Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife), da ONU, advertiu na semana passada ao Uruguai que a lei sobre a maconha viola os tratados internacionais assinados pelo país.

BAHIA: POLÍCIA APREENDE 120 KG DE MACONHA

macAgentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em operação conjunta com agentes da Polícia Federal (PF) e Policiais Militares, apreenderam mais de 100 kg de entorpecentes. 
A abordagem aconteceu no KM-830 da BR-116, em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano.
De acordo com a PRF, equipes deram ordem de parada a uma carreta baú que trafegava pela rodovia e, ao proceder averiguação, encontraram um prato sujo com substância análoga a cocaína.
Questionado, o condutor, de 46 anos e natural de São Paulo, informou que era usuário de drogas assim como uma menor, de 17 anos, que o acompanhava.
Após revista veicular, os policiais localizaram no compartimento de carga do veículo 140 tabletes de maconha, com um peso estimado em 120 kg e 40 g de cloridato de cocaína.
O motorista, a menor envolvida, o veículo e os entorpecentes foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal em Vitória da Conquista.

CONHEÇA DOENÇAS QUE PODEM SER TRATADAS COM MACONHA

YAHOO
maconhaA Cannabis, mais conhecida como maconha, é considerada uma droga por agir no sistema nervoso, alterando a percepção das pessoas. Entretanto, estudos médicos apontam que a marijuana pode ser usada em tratamentos de saúde. Dessa forma, a maconha medicinal poderia ser legalizada e comercializada no tratamento de algumas doenças.
O princípio ativo da maconha, o canabinoide THC (tetrahidrocanabinol), atua em diversos sintomas de várias doenças, dependendo da quantidade presente na maconha. Existem tipos da cannabis que possuem um teor de THC mais elevado e servem para certas doenças e outros tipos com um teor de THC mais baixo, para doenças mais simples.
Entre as doenças que podem ser tratadas com a maconha medicinal estão: AIDS, câncer, TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), esclerose múltipla, náusea decorrente da quimioterapia, doença de Crohn, glaucoma, epilepsia, insônia, enxaqueca, artrite e falta de apetite, anorexia, síndrome de Tourette, mal de Alzheimer, distrofia muscular, fibromialgia, caquexia e esclerose lateral amiotrófica.
Existem pesquisas científicas que tentam desvincular o poder curativo da maconha do efeito que altera a percepção das pessoas. Entretanto, os estudos indicam que o THC da maconha medicinal que dá às pessoas “um barato” age juntamente com o seu poder curativo, por isso ainda se tem opiniões contra o uso medicinal da maconha, uma vez que parte da comunidade médica desaprova o efeito de “droga” que ela possui.
Na verdade, o THC da maconha medicinal age ligando-se aos receptores de endocanabinoide do cérebro, ocasionando no usuário uma redução de ansiedade e dor, mas também uma alteração da consciência.
Importante ressaltar que, nos Estados Unidos, as Leis Federais não permitem o uso da maconha. Entretanto, alguns estados permitem o uso e cultivo da cannabis para fins medicinais. Caso você tenha um problema de insônia, por exemplo, pode ir a um médico que, ao final da consulta, poderá lhe prescrever uma receita para fumar maconha. Na Califórnia, o mercado medicinal da maconha movimenta mais de US$ 1 bilhão, gerando mais de US$ 100 milhões de impostos para o governo.
Veja alguns exemplos de doenças em que a maconha ajuda no tratamento:
Câncer: a quimioterapia causa fortes enjoos e os remédios que existem para combater esse sintoma são ineficazes. Ao tratar pacientes com câncer com maconha, enjoos e náuses foram aliviados.
AIDS: como a maconha desperta fome nos usuários, ela é importante para ajudar a recuperar o peso dos portadores do vírus HIV. Isso pode prolongar a vida dos soropositivos, uma vez que, quando magros, ficam com o sistema imune mais debilitado. O único problema é que não existem estudos suficientes na área para provar se a maconha causa interferência no sistema imunológico.

:: LEIA MAIS »

TRAFICANTE PRESO NA SOARES LOPES

traficante
Enquanto no Uruguai, portar, plantar, vender e comercializar maconha, caminha a passos largos para não ser mais crime, no Brasil a coisa continua à moda antiga.
Para felicidade dos grandes traficantes (seguramente distante das favelas) e pleno azar de quem se aventura a vender a erva no varejo.
E com isso, foi preso na avenida Soares Lopes, Matheus Souza Idelfonso, acusado de traficar maconha no local.
Com ele foram encontradas oito trouxinhas, prontas para a comercialização.
As informações são do site Rapazói.

URUGUAI LEGALIZA A MACONHA

EXAME
maconhaA Câmara dos Deputados do Uruguai aprovou nesta quarta-feira um projeto de lei impulsionado pelo presidente José Mujica e que defende a legalização do cultivo, da distribuição e do comércio da maconha sob a regulação do Estado, o qual ainda depende de uma aprovação do Senado para se tornar realidade.
Após uma longa sessão, o projeto foi aprovado – com 50 votos a favor (de 96) – devido à maioria exigida que o partido governista Frente Ampla (FA) possui na câmara baixa, já que a oposição rejeitou a proposta em bloco.

CÂMARA DO URUGUAI VOTA HOJE A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

maconhaA Câmara dos Deputados do Uruguai debate hoje a legalização da maconha. Para que a proposta seja aprovada, são necessários 50 dos 99 votos. Segundo analistas, o projeto tem o aval de 49 deputados, dependendo apenas da decisão de um parlamentar. Pesquisas apontam que 63% da opinião pública são contrários à iniciativa, que seria respaldada pelo Senado, de acordo com a bancada governista.
O deputado Darío Pérez, da Liga Federal, é o único da coalizão de esquerda que poderia frear a votação, segundo o diário uruguaio “El País”. A oposição já adiantou que votará contra a iniciativa. Fontes próximas a Pérez, no entanto, indicaram ao jornal que o deputado vai argumentar contra a proposta, mas acabará votando a favor.
Uma vez aprovado na Câmara, o projeto não deve sofrer alterações no Senado. Luis Gallo, da Frenta Ampla – à qual Mujica pertence-, garantiu ao “El País” que todos os senadores votarão a favor da proposta.
A legalização da venda da maconha está em estudo no Parlamento desde agosto do ano passado, quando o Executivo enviou uma proposta de artigo único que autorizava a produção, a venda e a distribuição pelo Estado, com o objetivo de combater o tráfico de drogas.
Depois de a Câmara elaborar um artigo alternativo, o próprio presidente José Mujica recuou e impediu a adoção da iniciativa em dezembro de 2012, alegando que a ideia ainda não estava madura.
– Não votem em uma lei porque têm maioria no Parlamento, a maioria tem de estar nas ruas. As pessoas têm que entender que, com tiros e colocando as pessoas na prisão, o que estamos fazendo é alimentar um mercado de drogas – afirmara Mujica aos legisladores.
Com base nesta posição de levar em conta a opinião pública, Pérez pediu ao presidente para rever a decisão de impulsionar a aprovação do projeto, mas obteve resposta negativa.

cristina frey

dom eduardo

lm mudancas













WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia