WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Neste site
ilheus brindes
setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

:: ‘homofobia’

ITACARÉ: JOVEM LGBT É AGREDIDO EM BAR “FAVELA”

Bar Favela foi local de agressão a jovem LGBT.

A cidade de Itacaré está recebendo grande público neste final de semana por conta da etapa do Mundial de Surf que acontece desde a última quinta-feira por lá. Entretanto nem tudo tem sido folia, na madrugada deste sábado (20) um jovem LGBT foi agredido nas dependências do Bar Favela na cidade Itacaré por dois homens.

Segundo relato, o jovem estava beijando outro rapaz quando foi intimado por um homem avulso no bar que desferiu socos em sua face, após o acontecido um outro indivíduo que estaria no mesmo grupo se dirigiu até ele e o agrediu novamente, tudo isso aos gritos de “Bolsonaro está chegando”. O jovem tentou registrar boletim de ocorrência na delegacia (72ª CIPM), mas afirmou que a mesma estava fechada e não havia um plantonista.

:: LEIA MAIS »

“TER FILHO GAY É FALTA DE PORRADA”, DIZ BOLSONARO (PP)

PRAGMATISMO POLÍTICO
O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) reverbera na mídia um discurso presente em nossa cândida sociedade de que ter filho gay é consequência de falta porrada durante a infância. Pois bem, nesta quarta-feira veio à baila a crueldade cometida por um pai que seguiu este ensinamento. Alex Moraes Soeiro, 34 anos, morador da comunidade de Villa Kennedy, zona oeste do Rio, jogou toda sua força contra o filho de oito anos, espancando-o até a morte. Motivo: o garoto gostava de lavar louça e não queria cortar o cabelo (veja aqui).
O preso disse que espancava o menino para “ensiná-lo a virar homem”, porque, segundo o pai, o garoto gostava de dança do ventre, tinha o hábito de vestir as roupas das irmãs e gostava de lavar louça. Levado à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da região, o menino faleceu horas depois após sofrer hemorragia interna em razão do espancamento.
De acordo com a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, a grande maioria das denúncias de homofobia recebidas pelo Disque 100 (em 2011 foram quase 7 mil) são de violências sofrida por gays dentro de casa, 42%.
Casos de barbárie como o ocorrido em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul. Um pecuarista espancou o próprio filho homossexual em julho do ano passado (relembre aqui). O rapaz de 16 anos ainda foi ameaçado pelo pai de ser arrastado pelas ruas da cidade. O jovem chegou a ter as pernas amarradas a uma caminhonete. O produtor rural, que não teve o nome revelado, foi indiciado por injúria e tortura.
Tem um pensamento repetido por homossexuais que resume bem o desamparo de crianças e adolescentes LGBTs. Uma criança negra que sofre racismo na escola, volta para casa e encontra o abraço da mãe, mas uma criança gay que sofre homofobia na escola, volta para casa e está sozinha.
:: LEIA MAIS »

ASSASSINATOS MOTIVADOS POR HOMOFOBIA ACONTECEM A CADA 28 HORAS NO BRASIL

BRASIL POST
Mapa das mortes causadas por homofobia.

Mapa das mortes causadas por homofobia.

Em 2013 foram contabilizados 312 assassinatos, mortes e suicídios de gays, travestis, lésbicas e transexuais brasileiros vítimas de homofobia e transfobia, de acordo com levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB). O documento inclui a morte de uma transexual brasileira no Reino Unido e um gay morto na Espanha. A média é de uma morte a cada 28 horas.
Esse número é 7,7% menor em relação ao ano de 2012 (388 mortes), mas, segundo o GGB, as mortes aumentaram 14,7% nos últimos 4 anos.
Segundo o documento, a maioria das mortes de gays acontece na casa da vítima, enquanto a maioria dos travestis morre na rua. Em um ano foram 186 gays, 108 transexuais, 14 lésbicas, 2 bissexuais e 2 héteros mortos, confundidos com homossexuais.
Pernambuco foi o estado onde aconteceu o maior número de mortes de LGBT (34). Em seguida, vem São Paulo (29), Minas Gerais (25) e, empatados em quarto lugar, Bahia e Rio (20). A Região Nordeste concentrou 43% das mortes, seguida de Sudeste e Sul com 35%, e Norte e Centro Oeste, com 21%.
O estudo realizado pela entidade utiliza como base notícias divulgadas por veículos de imprensa e dados enviados por ONGs. Nele foram contabilizados também dez suicídios. Segundo Luiz Mott, coordenador da pesquisa, essas mortes são registradas por terem motivações homofóbicas ou transfóbicas: “Como aconteceu com um gay de 16 anos, de São Luís, que enforcou-se dentro do apartamento ‘por que seus pais não aceitavam sua condição homossexual’.”
O relatório completo pode ser acessado no site Homofobia mata.

DEPUTADO CARLISTA EXALA HOMOFOBIA NO FACEBOOK

Deputado homofóbico.

Deputado homofóbico.

Bruno Reis, deputado estadual e ex-assessor parlamentar do agora prefeito de Salvador, ACM Neto, destilou toda a homofobia guardada na pequena mente contra um cidadão que o questionou sobre seu suposto envolvimento num esquema de venda de informações privilegiadas e tráfico de influência.
Explicamos: Segundo a Polícia Federal, escutas telefônicas foram interceptadas em 2005. Nelas, Bruno Reis conversa com agentes aposentados da PF e empresários que estariam em busca de informações privilegiadas, que seriam coletadas por meio de ACM Neto. A operação não foi à frente por causa do vazamento de informações.
De acordo com o G1, as conversas com o assessor de ACM e as menções a ele, todas de setembro de 2005, não são conclusivas, mas sugerem que pelo menos dois membros da máfia tinham contato com a família Magalhães. Os diálogos não provam irregularidades, mas mostram que os investigados tentaram contato com ACM Neto.
Voltando: Questionado no facebook pelo professor ilheense Gabriel Nascimento sobre a suposta participação no esquema, o deputado se saiu com essa: “Tá nervosinha, Gabriela?”.
A gracinha sem graça do carlista, também conhecida como homofobia, vai gerar processo. Segundo Gabriel, o caso não vai passar assim em branco.

OAB VAI PEDIR A CASSAÇÃO DE MARCO FELICIANO E JAIR BOLSONARO

CORREIO DO BRASIL
depuatados
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) concluiu a denúncia contra Marco Feliciano (PSC-SP) e Jair Bolsonaro (PP-RJ) por campanha de ódio. A entidade quer que a Corregedoria da Câmara puna os dois por quebra de decoro parlamentar em virtude de divulgação de vídeos considerados difamatórios, o que poderia resultar na cassação de seus mandatos.
Liderando um grupo de mais de vinte entidades ligadas aos direitos humanos, a OAB enviará, na próxima semana, representação ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, contra Feliciano e Bolsonaro. A entidade quer que a Corregedoria da Câmara os processe por quebra de decoro parlamentar em virtude de divulgação de vídeos considerados difamatórios.
Em um dos vídeos, Bolsonaro teria editado a fala de um professor do Distrito Federal em audiências na Câmara para acusá-lo de pedofilia e utiliza imagens de deputados a favor da causa homossexual para dizer que eles são contrários à família.
Para o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB, Wadih Damous, essas campanhas de ódio representam o rebaixamento da política brasileira. “Pensar que tais absurdos partem de representantes do Estado, das Estruturas do Congresso Nacional, é algo inimaginável e não podemos ficar omissos. Direitos Humanos não se loteia e não se barganha”, disse. Indignado com os relatos feitos por parlamentares e defensores dos direitos humanos durante reunião na sede da entidade, Damous garantiu que “a Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB será protagonista no enfrentamento a esse tipo de atentado à dignidade humana”.
Na reunião com a CNDH da entidade dos advogados estiveram presentes, além dos deputados acusados na campanha difamatória, representantes da secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, do Conselho Federal de Psicologia, e ativistas dos movimentos indígena, de mulheres, da população negra, do povo de terreiro e LGBT.

ALEXANDRE FROTA DIZ QUE NAMOROU FELICIANO

frotaEm entrevista ao programa “Morning Show”, o ator Alexandre Frota, em tom de piada, afirmou já ter namorado o deputado Marcos Feliciano.
“Eu conheço ele, foi meu namorado. Tivemos um relacionamento de dois anos”, brincou.
Mandando um recado para Feliciano, o ator continuou a brincadeira: “Amor, estou estranhando essa sua posição. Por tudo o que a gente viveu, por toda a nossa vida, por tudo o que você falou no meu pé do ouvido, eu esperava mais. Me liga, amor”.
Questionado sobre sua orientação sexual, Frota manteve o tom bem-humorado. “Eu sou pentasseuxal. Era bi, fui tri, agora sou penta. E vou tentar o hexa”, disse, acrescentando que ganhou a fama de bissexual por causa de seus trabalhos voltados para o público gay.

CONTRADIÇÕES: FELICIANO AGORA AFIRMA QUE NÃO EXISTE “CURA GAY”

pastor-marco-feliciano
O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, deputado Marco Feliciano (PSC-SP), divulgou um vídeo na internet para defender o projeto que ficou conhecido como “cura gay”, aprovado na semana passada pelo colegiado.
Na gravação, o pastor faz questão de ressaltar que o projeto não é de sua autoria, mas do deputado João Campos (PSDB-GO), também da bancada evangélica. Apesar de o projeto abrir uma brecha para o “tratamento” de gays, o deputado Feliciano afirma, no vídeo, que homossexualidade não é doença.
“Não existe cura gay, porque homossexualidade não é doença”, diz o deputado. Ele continua: “mas não podemos tolher o direito de um profissional, como um psicólogo, de estudar um assunto que ainda não se colocou nele um ponto final, ainda é uma incógnita, ainda é um fenômeno”.
 O deputado omite o fato de que o projeto é apoiado por religiosos, não por psicólogos. A proposta, que passará ainda por duas comissões da Câmara antes de ir a plenário, suspende trechos de resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), de 1999. Ela anula, por exemplo, o parágrafo único que diz que “os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades”.
O Conselho já se manifestou contra o projeto. Para a conselheira Cynthia Ciarallo, a retirada desse trecho da resolução indica que há uma intenção concreta de permitir que os psicólogos possam trabalhar pela cura da homossexualidade.
MANIFESTAÇÕES – Feliciano será alvo de novas manifestações contra sua presença no comando da comissão. Oito cidades, entre elas São Paulo e Brasília, convocaram para esta quarta-feira, 26, protestos contra o deputado. “Quem derrubou o preço das tarifas vai derrubar Feliciano”, diz a página do evento no Facebook, em referência às manifestações dos últimos dias.
No vídeo, Feliciano afirma ter sido usado como “bode expiatório” pela imprensa para tirar o foco do descontentamento das pessoas. Segundo o deputado, depois que os jornais pararam de falar dele e começaram a mostrar os problemas do Brasil, as manifestações tomaram as ruas.

APÓS APROVAÇÃO DO PROJETO DA “CURA GAY”, ATIVISTA PEDE APOSENTADORIA RETROATIVA POR SER HOMOSSEXUAL

"Se somos doentes, somos inválidos. Logo, temos que nos aposentar', afirmou ativista gay.

“Se somos doentes, somos inválidos. Logo, temos que nos aposentar’, afirmou ativista gay.

Dois dias após a aprovação do projeto da “cura gay” em comissão presidida pelo deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) na Comissão de Direitos Humanos da Câmara , ativistas acharam uma brecha na proposta para reivindicar aposentadoria compulsória por invalidez, já que a homossexualidade teve permissão para ser tratada como doença.
Segundo a “Folha de S. Paulo”, o diretor-executivo do grupo Dignidade, Toni Reis, tomou a frente da iniciativa e foi o primeiro encaminhar o pedido de “aposentadoria compulsória retroativa por homossexualismo” aos ministros Garibaldi Alves (Previdência Social) e Alexandre Padilha (Saúde).
“Se somos doentes, somos inválidos. Logo, temos que nos aposentar”, declara Toni Reis. “Sendo uma dessas pessoas inválidas, devido à minha condição homossexual que é de notório saber, venho por meio deste requerer minha aposentadoria compulsória, com direito a acompanhante especializado, retroativa até o início das primeiras manifestações da minha homossexualidade, por volta do ano de 1970”,  completa o ativista no requerimento.
Toni afirmou à “Folha” que o pedido de aposentadoria é uma forma “risível” de protestar contra a aprovação do projeto e afirma que é uma resposta paga na mesma moeda. “Já que eles querem brincar com a nossa cidadania, nós vamos usar isso [pedido de aposentadoria] de forma muito tranquila”, disse o ativista.

FELICIANO AMEAÇA ‘REBELIÃO’ SE GOVERNO INTERFERIR NO PROJETO ‘CURA GAY’

FOLHA
pastor-2
Com um discurso inflamado, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Marco Feliciano (PSC-SP), ameaçou nesta quarta-feira (19) uma rebelião da bancada evangélica –composta por 80 deputados– caso o governo interfira na votação do projeto conhecido como “cura gay”. A mensagem foi dita quando o deputado chegava para uma audiência pública da comissão.
Ao negar que a votação da proposta tenha sido uma provocação às manifestações que tomam as ruas de vários Estados, o deputado disparou ataques a ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) que prometeu mobilizar o governo para evitar que a proposta avance na Casa.
Feliciano recomendou “juízo para a dona ministra”, disse que ela “mexe onde não devia” e recomendou que ela procure a presidente Dilma Rousseff porque “o próximo ano” tem eleições.
O projeto permite a psicólogos oferecer tratamento para a homossexualidade –a chamada “cura gay”, segundo os críticos da ideia, e terá que passar por outras duas comissões da Casa. Feliciano nega que a proposta tenha essa linha.
“O governo sempre tenta barrar [projetos]. Isso acontece com todos os projetos, não é somente com esse. É o jogo político”, disse. “Queria aproveitar e mandar um recado: dona ministra Maria do Rosário dizer que o governo vai interferir no Legislativo é muito perigoso. É perigoso dona ministra principalmente porque ela mexe com a bancada inteira”, afirmou.
:: LEIA MAIS »

EVANGÉLICOS AGRIDEM PASTOR CONFUNDIDO COM ATIVISTA GAY

Um pastor da Igreja Quadrangular foi confundido com ativista gay e retirado à força do palco durante manifestação organizada por Silas Malafaia em Brasilia.
Ao ser confundido com uma ativista do movimento gay, um pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular foi retirado à força do palco da “Manifestação pela liberdade de expressão, liberdade religiosa e família tradicional” – ou marcha homofóbica – organizada pelo pastor Silas Malafaia na tarde da última quarta-feira (05) em frente ao Congresso Nacional, em Brasília.
O motivo da expulsão, foi o fato de o pastor estar portando uma bandeira de sua denominação, que é formada pelas cores roxa, vermelha, amarela e azul e teria sido confundida pelos seguranças do evento com a bandeira arco-íris, um dos símbolos do movimento LGBT.
Após a retirada do pastor da Quadrangular, representantes da igreja esclareceram aos organizadores do evento que o homem forçado a deixar o local é religioso e destacaram que ele apenas segurava a bandeira símbolo de uma congregação evangélica.

dom eduardo

arquiteto













WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia