WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom ponte ilheus shopping jequitiba Neste site
julho 2020
D S T Q Q S S
« jun    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: ‘concursados’

MPT QUER RETORNO DE SERVIDORES EXONERADOS POR JABES

O Ministério Público do Trabalho (MPT) apresentou ação contra a prefeitura de Ilhéus por ter exonerado, em janeiro deste ano, 79 servidores concursados.
A ação civil pública é movida em conjunto com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB-Sindicato), entidade autora da denúncia que deu início ao inquérito civil.
Durante as apurações, a prefeitura alegou aumento de despesas, mas não conseguiu apresentar qualquer documento que comprovasse.
Na ação, que corre na 1ª Vara do Trabalho de Ilhéus, o MPT solicita a concessão de liminar tornando nulo o decreto que determinou as exonerações.
Também é solicitada que a Justiça do Trabalho determine, em caráter liminar, que o município fique proibido de exonerar, demitir ou dispensar servidor concursado sem a instalação de inquérito administrativo.
Na ação, o prefeito Jabes Ribeiro é intimado a cumprir as decisões. Se for aceita, o município terá de indenizar os concursado por danos morais coletivos e individuais. O valor pode chegar a R$ 100 mil. 
Em tempo: Apesar de  colocar na rua professores concursados, há dois meses, o prefeito abriu seleção pública para admitir pessoal na secretaria de educação. Ora, não tinha verbas para manter concursados, mas tem para custear os aprovados por seleção pra lá de duvidosa?

O TIRO NO PÉ DE JABES

Jabes: desgaste desnecessário? Foto: Andrei Sansil/Ilhéus 24h.

Jabes: desgaste desnecessário? Foto: Andrei Sansil/Ilhéus 24h.

Aos 61 anos e no quarto mandato como prefeito, Jabes Ribeiro se tornou expert em articulação política. No ano passado, por exemplo, conseguiu acabar com a Plenária Unificada e levou quase todos os partidos do grupo para sua aliança eleitoral.
Tanta experiência, no entanto, não impediu JR de dar um tremendo tiro no pé logo ao assumir o novo mandato.
Em janeiro, o prefeito exonerou 79 funcionários concursados. Foram mandados pra rua professores, agentes de trânsito e guardas municipais com o argumento de que era preciso adequar a folha salarial à Lei de Responsabilidade Fiscal.
Comprado o desgaste, ontem (quinta, 11), JR promoveu “a volta dos que não foram”. Convocou para admissão onze professores exonerados no início do ano.
Segundo informações de dentro do Palácio Paranaguá, ainda neste primeiro semestre boa parte dos exonerados voltará a seus postos.
Daí fica a pergunta, por que o prefeito exonerou servidores que fariam falta e, cedo ou tarde, retornariam? De quem foi o erro?



dom eduardo

lm mudancas













WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia