WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
pm ilheus Neste site
agosto 2020
D S T Q Q S S
« jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: ‘Artigos’

BOLSONARO É A PARTE PERIGOSA DA BULA

Artigo do escritor e jornalista, Jolivado Freitas, autor de “A Engenharia e a História da Bahia” e Cemitério de Cães Noturnos”. Email: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br

Claro que Jair Bolsonaro teve sua importância, como elemento catalisador da faxina que boa parte dos eleitores queria e que foi determinante para o alijamento do Partido dos Trabalhadores do domínio central, o que era realmente necessário para o Brasil, no período, face a atitude equivocada de mais valia de poder, encetada por suas principais lideranças. Isso tendo o ex-presidente Lula como elemento chave, conforme o posto pela Justiça. Mas, Bolsonaro, caso os seus eleitores tivessem a atitude de avaliar e reconhecer, sem a força da doutrinação ou dos dogmas como de uma seita (o mesmo pecado cometido pelos lulistas inveterados), reconheceriam que ele perdeu seu prazo de validade.

Repetindo: o PT está fora da jogada, tirando um ou outro governador, a exemplo de Wellington Dias (Piauí) e Rui Costa que foram apontados como bons administradores e passando ao largo da crise, segundo lideranças políticas de partidos variados ouvidos pelo “Painel do Poder” do portal Congresso em Foco. Daí que a utilidade de Bolsonaro, frente sua inapetência ao poder, que se verifica e daqui a pouco completará dois anos de efervescente pasmo da população em geral, virou quase nenhuma. Ainda dá tempo de seus acólitos irem em busca de outras rotas, para não repetirem os erros dos lulapetismo, em que seus adeptos, também ranhetas, se recusam a admitir as mazelas do ex-presidente.

:: LEIA MAIS »

OS MILITARES NO ESPARRO

Artigo do escritor e jornalista, Jolivado Freitas, autor de “A Engenharia e a História da Bahia” e Cemitério de Cães Noturnos”. Email: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br

Basta ler o que se escreve nos jornais sérios, por colunistas respeitados e atinados, para se saber que uma fração dos brasileiros não vê que a esquerda brasileira está esfacelada, e busca incitar as Forças Armadas a uma nova aventura em direção à tomada do poder, mas que democratas de fardas se opõem à politização dos militares. Mais grave: acham que os militares que estão no governo entraram numa esparrela sem par.

No sábado passado os militares da reserva voltaram a emitir nota criticando o ministro do STF Celso de Mello A reação começou depois que ele disse que generais do Planalto que deveriam depor como testemunhas no caso poderiam ser conduzidos “debaixo de vara” caso fosse necessário. O novo documento afirma que “ninguém entra nas Forças Armadas por apadrinhamento” ou atinge postos na carreira por ter “um palavreado enfadonho, supérfluo, verboso, ardiloso, como um bolodório de doutor de faculdade”.

:: LEIA MAIS »

NOTÍCIA FRIA PARA UNS. DOR QUE FERVE PARA MUITOS

Artigo do escritor e jornalista, Jolivado Freitas, autor de “A Engenharia e a História da Bahia” e Cemitério de Cães Noturnos”. Email: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br

Três coisas chamam a atenção, agora, seis meses depois do surgimento da pandemia do coronavírus na China, e chocam pelo sentido que estão sendo adotados. O primeiro é que as pessoas já parecem ressabiadas com tantas mortes, não ligam mais para o noticiário; esfriaram o sentimento ruim, já não param para prestar atenção quando um jornal televisivo passa a mostrar os mortos em massa e que está colocando o Brasil na liderança do número de mortos cotidianamente. Se está impresso no jornal, trata-se logo de pular para a próxima notícia, e se está ouvindo no rádio do carro, basta um movimento para colocar numa estação que não seja “chata” e que só fala neste assunto. O Covid-19 praticamente virou um tema banal.

:: LEIA MAIS »

REFÉM DOS XING-LING

Artigo do escritor e jornalista, Jolivado Freitas, autor de “A Engenharia e a História da Bahia” e Cemitério de Cães Noturnos”. Email: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br

Antes dessa história de que a China se tornaria uma potência econômica mundial, o que realmente aconteceu, tanto que é principal compradora de produtos (principalmente commodities) brasileiros – ou seja, parceiro comercial maior –, todo mundo sabia que comprar produtos chineses era sinônimo de dor de cabeça. A China só mandava os Chamados Xing-Ling, peças e produtos confeccionados com matéria-prima de baixa qualidade. A China não criava nada. A China sempre foi adepta da máxima “Nada se cria, tudo se copia”. E ela copiava de aparelhos de TV a sandálias tipo havaianas. De tênis de “marca” até carrões esportivos como as cópias do Jaguar ou do Mercedes Benz. Lembre-se que os chineses falsificaram até ovos.

:: LEIA MAIS »

“DEUS ME LIVE”

Jolivaldo, escritor e jornalista. Autor de “Histórias da Bahia – Jeito Baiano” e “Baianadas…”.

Gostei tanto desse dessa asserção “Deus me live”, saída da cabeça do jornalista Artur Carmel, que decidi repercutir nesta crônica de quarentena. Claro que a internet tem nos ajudado neste enfrentamento solitário da peste que devasta e devassa o mundo. Tudo mudou e vai mudar mesmo. “Nada será como antes, amanhã” diz a canção entoada por Milton Nascimento. E não será mesmo. Quem se acostumou e pode, trabalhar em casa, vendo que muitas das vezes o resultado foi melhor, sem estresse, sem trânsito e sem pressa, vai brigar para manter este privilégio – coisas para poucos neste intricado mercado de trabalho. Mas, serão milhões que transformarão em escritório o seu apartamento e casa.

:: LEIA MAIS »

PARA ALÉM DE ILHÉUS, BAHIA COMO UM TODO SERVIU DE INSPIRAÇÃO PARA JORGE AMADO

Por ser um país formado por diferentes vertentes culturais e ter tido influência de diversos lugares do mundo em seu processo formativo e histórico, o Brasil configura um rico cenário em termos de diversidade cultural e racial. Tal pluralidade há muito funciona como uma espécie de caldo cultural que inspira artistas de diferentes linhas, sejam elas literárias, fotográficas ou relacionadas à pintura.

:: LEIA MAIS »

BOLSONARO APOSTA NO CAOS

Davidson Magalhães é presidente PCdoB – Bahia e secretário do Trabalho, Emprego e Renda da Bahia.

O Brasil vive uma crise econômica profunda. O avanço da pandemia do novo coronavírus trouxe consigo uma instabilidade em escala global, com as quedas dos mercados financeiros e um brutal freio no crescimento. As medidas de contenção no país, especialmente se for da envergadura das aplicadas nos últimos dias no mundo, implicam em um curto-circuito na economia durante um tempo que não se sabe quanto. É o lógico preço a pagar: a saúde é a prioridade.

Isto tudo se agrava com a realidade brasileira, navegando em crise anterior ao surgimento do COVID-19. Senão, vejamos. O PIB do país em 2019 foi de 1,1%. A taxa de trabalhadores sem carteira ficou em 41,1%. Mais da metade, em 11 estados, estão no mercado da informalidade.

:: LEIA MAIS »

RUI COSTA: EM MEIO A CRISE, NASCE UM LÍDER NACIONAL

Por Dimas Roque

Diante do vácuo deixado por Bolsonaro, que abdicou de liderar o país no enfrentamento da crise na saúde, quem vem se destacando é o governador da Bahia. Liderados por Rui, mais uma vez, os governadores do Nordeste tomaram a iniciativa, depois que Eduardo Bolsonaro atacou a China ao chamar o Covid-19 de vírus Chinês. Eles se reuniram com o embaixador Yang Wanming

A região mais carente do Brasil, o Nordeste, já há algum tempo vem demonstrando que não é mais o patinho feio da nação. Foi aqui que a maioria esmagadora dos eleitores disse “não” ao então candidato Jair Bolsonaro. Hoje presidente. Também é aqui que os governadores eleitos em sua totalidade vêm trabalhando para resolver, coletivamente, os problemas da região. Para isto, eles criaram o consorcio do Nordeste em julho de 2019 que é responsável, entre outras coisas, de realizar compras coletivas, diminuindo o valor dos produtos adquiridos.

:: LEIA MAIS »

MOTOCOBRA: QUANDO QUEM DEVERIA PROTEGER…

Dia 06.03.2020 foi publicada Emenda nº 007/2017 que, dando nova redação ao § 3º do artigo 272, estabeleceu a proibição de que motoristas atuem como cobrador no transporte coletivo, popularmente conhecido como motocobra, relembre clicando AQUI.

De início, deixa-se claro que a briga pelos postos de trabalho é legítima e deve ser encampada por todos, principalmente pelo Poder Público que possui os instrumentos indispensáveis a tal empreitada.

Contudo, não podemos deixar de pontuar qual o propósito da Câmara de Vereadores de Ilhéus em promulgar uma emenda à Lei Orgânica Municipal sabidamente INCONSTITUCIONAL, já que o Legislativo Ilheense não tem competência para legislar sobre matéria por dois motivos. Primeiro deles, a norma seria de iniciativa do Poder Executivo, em que pese previsão contida na LOM, artigo 32, inciso V, a mesma não tem o condão de suprimir a prerrogativa do Prefeito em dá início ao processo legislativo (LOMAN, artigo 51, inciso II). Sobre esta competência o STF, no Recurso Extraordinário nº 627.971, oriundo de São Paulo e de relatoria da Ministra Cármen restou assentado que a “pacífica jurisprudência deste Supremo Tribunal Federal afirma ser do Chefe do Poder Executivo a iniciativa para as normas que versam sobre serviços públicos…” para concluir que a “iniciativa parlamentar de lei que versa sobre serviços públicos significa indevida ingerência do Poder Legislativo na atuação reservada ao Poder Executivo, constituindo ofensa ao princípio constitucional da reserva da administração”.

:: LEIA MAIS »

VACINA PARA BURRICE E A REVOLTA

Escritor e jornalista. Autor de “Histórias da Bahia – Jeito Baiano” e “Baianidades. Jolivaldo Freitas.

Esta semana, embora esteja passando desapercebido pelos veículos de comunicação, é tempo de relembrar os 115 anos da Revolta da Vacina, um motim organizado pelo povo em novembro de 1904 no Rio de Janeiro e que chegou a se espalhar por outras cidades, como Recife e Salvador, mas por aqui sem intensidade. O motivo da convulsão foi a obrigatoriedade de se vacinar contra a varíola, que matava aos borbotões, determinada pelo presidente Rodrigues Alves que apoiava as pesquisas e planejamento do médico e cientista Oswaldo Cruz, que havia criado as Brigadas Mata-Mosquitos. Elas eram formadas por funcionários do Serviço Sanitário e também por policiais que na falta de receptividade da população invadiam os imóveis, derrubavam ou sitiavam. O povo tinha mesmo de tomar vacina. O país era conhecido no mundo inteiro por causa de doenças como febre amarela, e até peste bubônica.

:: LEIA MAIS »



dom eduardo

lm mudancas













WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia