.

O site Ilhéus 24H veiculou na sexta-feira, (24), matéria a respeito de um caso que foi parar na delegacia, envolvendo uma enfermeira que recusou atender uma gestante acompanhada pelo esposo, em Ilhéus. A situação ocorreu no último dia 14 de setembro, no posto de saúde Herval Soledade, no Pontal, zona sul da cidade. Lembre aqui.

Em seguida, a profissional de saúde entrou em contato com nossa redação, alegando ter sido a vítima dessa história, e não a vilã, como foi informado. Leia aqui.

No perfil do Instagram, a União Brasileira de Mulheres (UBM) Ilhéus – BA, divulgou nota pública a respeito da situação. Confira abaixo:

No perfil do Instagram, a União Brasileira de Mulheres (UBM) Ilhéus – BA, divulgou nota pública. Confira abaixo:

A União Brasileira de Mulheres (UBM) Ilhéus – BA, tomou conhecimento do caso através de amigos da vítima que nos procuraram, para denunciar mais um caso de Violência Obstétrica praticado por profissionais de saúde, que deveriam estar prontos a atender inclusive cumprindo a lei, o que na prática é muito comum e pouco questionado.

A vítima teve no posto para consulta de pré-natal e teve o acompanhamento de seu companheiro negado por uma enfermeira, o que fere a lei federal 11.108/2005. Além disse o próprio ministério da saúde tem um guia do Pré-natal do Parceiro para profissionais de saúde, publicado em 2018, onde destaca a participação do pai nesse importante período que é a gestação de um filho, como diz na página 11 de seu guia “A gravidez também é um assunto de homem e estimular a participação do pai/parceiro durante todo esse processo pode ser fundamental para o bem estar biopsicossocial da mãe, do bebê e dele próprio, sendo o pré-natal o momento oportuno e propício para isso!” E mesmo a vítima tendo conhecimento dos seus direitos, os viu sendo negado.

O caso já foi levado a justiça, e nós da UBM esperamos que a mesma seja cumprida. Repudiamos completamente todo e qualquer tipo de violência contra a mulher. Não podemos deixar casos como esse passarem sem ser percebidos, normatizando as inúmeras violências que as mulheres passam em seu dia a dia simplesmente por ser mulher.

Aproveitamos para trazer a público nossa indignação sobre o atendimento as gestantes em nosso município, incontáveis os descasos, a começar por não ter um local de atendimento apropriado para a Mulher gestante, tanto no momento do pré-natal, como no momento do parto, tendo em vista o último caso onde uma mulher teve seu filho na calçada, na porta da “maternidade”. No dia 26 de junho deste ano o governador Rui Costa esteve na cidade para inaugurar o novo hospital regional materno infantil, que até hoje encontra-se fechado, sem previsão de abertura e nem sequer o assunto é comentado. Ressaltamos nosso desagrado sobre como tem sido recorrente os casos de violência obstétrica na nossa cidade, esperando que estes possam ser vigorosamente avaliados e que sejam tomadas as devidas medidas para tais situações não ocorram novamente e demonstramos total solidariedade as mulheres vítimas dessas violências.

Ilhéus – BA, 24 de setembro de 2021.

União Brasileira da Mulheres (UBM)