.

Itabuna é a primeira cidade do Sul da Bahia a atender o novo Marco Legal do Saneamento, Lei nº 14.0026/20, que estabelece o fechamento dos lixões em todo território nacional, promovendo a correta disposição final em aterro sanitário, por exemplo.. A medida tem impactos positivos na área socioambiental, pois, além de minimizar os danos causados ao meio ambiente,  como por exemplo a contaminação do solo, do lençol freático e da atmosfera através da emissão de gases que provocam o efeito estufa, promove a integração de diversas pessoas em vulnerabilidade social que viviam no “lixão” e que  estão sendo atendidas através de projetos de inclusão social e capacitação profissional, inserindo-os em programas de coleta seletiva.

No início de maio, a Prefeitura de Itabuna firmou um contrato com a CVR Costa do Cacau, localizado na Rodovia Jorge Amado (Ilhéus-Itabuna), única empresa credenciada pelos órgãos ambientais para o correto tratamento e recebimento de resíduos sólidos.

Através desta contratação, cerca de 140 toneladas de lixo coletadas diariamente no município, são encaminhadas a CVR Costa do Cacau, numa área adequada e licenciada para promover a disposição de resíduos.

Outro fator importante é que a destinação correta de resíduos sólidos urbanos, contribuirá para a atração de novos investimentos empresariais no município, contribuindo para a geração de emprego e renda e para a retomada da economia no período pós-pandemia.

O diretor da CVR Costa do Cacau, Rodrigo Zaché, destaca que a adesão ao Plano Nacional de Saneamento, cidades sulbaianas, a exemplo de Itabuna, “terão um impulso no desenvolvimento, uma vez que grandes empresas quando decidem se instalar numa região, um dos pontos levados em consideração é se existe uma destinação adequada e mais abrangente para a destinação dos seus resíduos”. Com os serviços de tratamento de resíduos, aliados ao surgimento de grandes empreendimentos como o Porto Sul e a Ferrovia Oeste Leste, estão sendo criadas das condições para o surgimento de um grande polo industrial, numa região que tem uma das maiores biodiversidades do planeta e em que a conservação ambiental deve ser tratada como prioridade”, afirma Zaché.

O prefeito de Itabuna, Augusto Castro ressalta a importância da extinção do lixão da cidade, tanto para a atração de investimentos, como para as pessoas que faziam do lixão seu meio de subsistência. “Com o fim do lixão e a assistência social adequada para as famílias que retiravam o sustento dos resíduos, ali depositados de forma ilegal, vamos despertar o interesse de empresas de todo o País, dispostas a investirem em uma cidade que cumpre o Marco Legal do Saneamento”, acredita Castro.