Divulgação

A empresa responsável pela administração do Hospital Regional Costa do Cacau está sendo acusada de pagar propina para uma magistrada. Segundo o Ministério Público Federal, o I.B.D.A.H. pagou R$ 150 mil por um mandado de segurança à desembargadora Lígia Ramos, do Tribunal de Justiça da Bahia.

Lígia foi denunciada na última segunda-feira (4), junto com seus filhos e advogados Rui e Arthur Barata. Eles teriam intermediado a compra do mandado para o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Administração Hospitalar, que também faz a gestão do Hospital Regional de Juazeiro.

A denúncia tem como base a delação premiada do advogado Júlio César Cavalcanti Ferreira. Segundo ele, o dinheiro foi recebido pelo advogado Rafael Júnior, dentro do sistema de lavagem de dinheiro criado por Rui Barata, o operador financeiro da mãe no esquema.

A propina teria sido paga em parcelas, usando como intermediário o advogado Ailton Assis. Ele emitiu nota fiscal recebendo a propina e depois repassou o dinheiro a Rui Barata. Depois, Júlio César recebia R$ 15 mil para ajudar a esconder o caminho seguido pelos valores. [A Região]