Divulgação

A equipe econômica do governo Jair Bolsonaro defende que aposentados tenham seus salários congelados. A medida abriria espaço no Orçamento para custear o programa Renda Brasil, possível substituto do Bolsa Família.

A defesa da desvinculação de aposentadorias e pensões foi feita pelo secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, em entrevista ao G1. O congelamento, independentemente do valor das aposentadorias, duraria dois anos.

“A desindexação que apoiamos diretamente é a dos benefícios previdenciários para quem ganha um salário mínimo e acima de um salário mínimo, não havendo uma regra simples e direta [de correção]. O benefício hoje sendo de R$ 1.300, no ano que vem, ao invés de ser corrigido pelo INPC, ele seria mantido em R$ 1.300. Não haveria redução, haveria manutenção”, exlicou o secretário.

De acordo com informações da Folha, atualmente os valores de aposentadorias e pensões são reajustados conforme o salário mínimo. Da mesma maneira, os reajustes seguem a inflação. As aposentadorias de maior valor, por outro lado, seguem outra regra.

Rodrigues afirmou que a ideia ainda está sendo debatida com a Casa Civil e o Ministério da Cidadania.