FOTO: TV Santa Cruz/TV Bahia

Moradores da zona norte de Ilhéus,  tiveram prejuízos nas casas por causa do pico da maré, que chegou a dois metros acima do nível do mar, na madrugada desta terça-feira (18).

“Simplesmente estamos agarrando em Deus porque o resto não está nem aí. A gente que tem barraca, pousada, comércio, ficou parado. Quando abre, a maré vem e não fazem nada. Essa maré chegou antecipada. Estou ficando sem meu ganha pão, vai levar o apartamento”, contou a empresária Nádia Olinda.

O pico de maré chegou a dois metros, mas a previsão é que seja mais elevado nos próximos dias, segundo o Centro de Prevenção do Tempo e Estudos Climáticos. Por causa da situação, os moradores chegaram a fazer contenção de pedras para impedir que água entre nas casas.

Ao longo da praia, tem troncos de árvores caídos, muros despedaçados e sacos de areias, que eram uma contenção, soterrados. Uma das casas perdeu o alicerce, o teto e as paredes, deixando o imóvel frágil, com risco de cair a qualquer momento.

Em São Domingos, os problemas são os mesmos. Na primeira rua do bairro, uma cratera se formou na calçada e o muro de uma cabana foi destruído. Ainda na região, a contenção construída há poucos dias sofreu erosão em frente a uma pousada e, com a situação, ameaça os apartamentos.

Na última terça-feira (11), o avanço da mar também causou destruição e provou erosão costeira nos dois bairros. Com o inverno e as chuvas no sul da Bahia, o mar está agitado e destrói cabanas, derruba coqueiros e chega a invadir a pista.

Desde o fim de julho, a maré alta vem causando estragos na praia de São Domingos. Os moradores chegaram a montar uma barreira para o mar não alcançar casas, barracas e outras estruturas, mas não conseguiram impedir a destruição.

A Defesa Civil de Ilhéus informou que esteve em São Domingos e São Miguel na manhã desta terça, e fez o levantamento dos locais que precisam de ações de urgência para conseguir pedras e maquinário e fazer um serviço paliativo. [G1 BA]