Divulgação

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, explicou o aumento de mais de 2 mil casos de coronavírus divulgado no boletim desta terça-feira (15), pelo governo do estado. Com esse aumento, o número total de infectados subiu para 11.013 com 326 óbitos em todo estado.

Vilas-Boas explica que o salto no número de contaminados na Bahia acontece em razão da unificação dos dados do sistema de registro. A partir de agora, serão considerados casos de Covid-19 não apenas pacientes com teste positivo pelo exame RT-PCR, mas também teste rápido e correlação clínica.

“Vamos apresentar um patamar diferente de números. Nós vimos na faixa de sete, oito mil casos. Mas, na última sexta-feira (15), conseguimos integrar as bases diferentes de notificação do Ministério da Saúde. O Ministério de Saúde tem três sistemas diferentes para notificar as coisas. No dia 26 de março, abandonou um dos sistemas, substituiu por outro chamado por E-SUS. Durante 50 dias, esse sistema não funcionou, começou a acumular notificações e ninguém conseguia baixar as informações, acessar e enxergar os casos. Então vários estados tentaram integrar essas bases, apenas três conseguiram, o Bahia um deles. Na sexta-feira conseguimos integrar essas três bases. O resultado disso é que havia, pelo menos, mais dois mil casos notificados e que ninguém tinha ciência”.

“A partir da agora, estamos passando para os municípios esses casos, que têm 24h para analisar esses casos que foram eles mesmos que notificaram, validar, confirmar se é do município e, no dia seguinte, se não reconhecer, a gente deleta do sistema. Então, hoje, estamos acrescentando aos 8.800 casos de ontem mais 2.100 casos e estamos indo para patamar de 11.013 casos. O Ministério da Saúde definiu que caso de Covid-19 não é apenas confirmado com RT-PCR no laboratório central. É caso confirmado por teste rápido, correlação clínica, quando médico está convicto de que tem mesmo sem prova, ou casos em que a pessoa notificou no sistema de gripe. Qualquer pessoa que o médico notificou como síndrome gripal, esse caso, para o Ministério, deve ser entendido como Covid-19”, continua o secretário.

Vilas-Bolas também garantiu que não houve explosão de casos no estado. Para ele, com a integração do sistema vai ser possível diminuir a subnotificação no estado. (G1)