Prefeitura inicia entrega de alimentos do PAA para famílias de Ilhéus

Abóbora, mamão, abacate, goiaba, batata-doce, banana-da-prata, banana-da-terra, laranja, limão e outros alimentos orgânicos e de excelente qualidade foram entregues nesta quarta-feira (22) pela Superintendência de Agricultura e Pesca (Suap) da Prefeitura de Ilhéus, através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) para instituições e entidades socioassistenciais, uma parceria com o Ministério da Cidadania.

A ação vai beneficiar cerca de 172 agricultores familiares, que terão seus produtos adquiridos in natura pelo programa, informa a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE). O total da produção é dividido e repassado às 19 entidades socioassistenciais cadastradas. O orçamento do PAA é composto por recursos do Ministério da Cidadania no valor de R$ 600 mil para Ilhéus.

De acordo com o prefeito Mário Alexandre, “o PAA contribui para a segurança alimentar do público consumidor ao oferecer alimentos de qualidade, fortalece a economia local e incentiva as cadeias curtas, ao comprar e doar no mesmo município”. Já o secretário de Desenvolvimento Econômico, Vinícius Briglia, a ação visa a inclusão produtiva ao comprar da Agricultura Familiar, gerando renda e garantido o preço dos produtos.

Associação Filtro dos Sonhos, Casa Masculina, Sociedade São Vicente de Paulo, Instituto Emília de Brito Correia, Associação Ilheense de Assistência a Menores Dom Bosco já receberam os alimentos. Já na sexta-feira (24), será a vez do Instituto de Reintegração Social Liberdade Para Vida, Associação Centro Educacional de Ação Integrada (ACEAI), Atalaia Centro de Recuperação, Casa de Passagem, Legião Feminina Regeneração Sul Baiana e Casa feminina.

Diante do estado de pandemia para a Covid-19 (Coronavírus) e da necessidade de garantir a distribuição do alimento às famílias, o Governo do Estado intensificou as medidas para a contenção da transmissão da doença, reforçando as condições higiênico-sanitárias. A distribuição vai ocorrer em locais abertos e ventilados, escalonada e descentralizada para evitar aglomeração de pessoas e atender as orientações da OMS e do Ministério da Saúde.