Após decisão do STF, ex-presidente deve ser solto nesta sexta-feira (8) e já planeja fazer atos públicos.

A defesa do ex-presidente Lula afirmou que vai levar à Justiça Federal nesta sexta-feira (8) um pedido para que ele deixe a cadeia devido à decisão do STF que barrou a prisão de condenados em segunda instância.

O pedido, segundo advogados, será encaminhado após reunião com o ex-presidente na sede da Superintendência da PF, onde ele está preso desde abril de 2018.

Em seu perfil em uma rede social, foi publicada na noite desta quinta (7) a mensagem #LulaLivreAmanhã e uma enxurrada de retweets tomou conta do Twitter. A defesa afirmou que o resultado do julgamento mostrou que a prisão do ex-presidente foi ilegal e voltou a dizer que ele é vítima de perseguição.

O petista já fez alguns pedidos aos correligionários. Assim que sair da prisão ele quer um ato no acampamento montado pela militância na frente da PF, em Curitiba, e depois vai visitar os ex-tesoureiros do PT João Vaccari Neto e Delúbio Soares, que dão expediente na sede da CUT do Paraná.

Lula depende agora de um aval simples da juíza federal Carolina Lebbos para deixar a prisão e aguardar em liberdade o julgamento de recursos do caso do tríplex de Guarujá (SP). A Juíza tem a fama de ser linha dura e deve dificultar a soltura do ex-presidente.

A libertação do petista não é automática. Os advogados precisam peticionar no próprio procedimento de administração da pena, na 12ª Vara Federal em Curitiba, para que ele deixe a prisão depois de 19 meses.

Como existe a ordem do STF sobre o assunto, a juíza não possui nenhum recurso para impedir a soltura de Lula.

FONTE: Folha de São Paulo