O evento receberá diversas atrações e reapresentará Teodorico Majestade.

No último sábado do mês de setembro (28), a partir das 18 horas, acontece em frente à Tenda Teatro Popular de Ilhéus a terceira edição da Feirinha Popular de Produtos Regionais. O evento, que teve suas duas primeiras edições em março e em junho deste ano, recebe pequenos empreendedores ilheenses e regionais que expõem seus trabalhos de artesanato, culinária e produtos naturais em meio a intervenções artísticas e culturais. Nesta edição o evento desfechará com a apresentação do espetáculo “Teodorico Majestade”.

A feirinha, que visa nesta edição tem o tema “Boas-vindas à Primavera!”, contará com a presença de vinte expositores, sendo doze marcas de artesanato (bijouterias, pinturas, acessório e decoração), seis de culinária (salgados e doces, opções veganas e tradicionais) e duas de cosméticos naturais. As atrações artísticas ficarão por conta da música de Cabeça Isidoro, das performances do Coletivo ArtDrag Sul-BA, e ainda de apresentações de cordéis com Franklin Costa, Gilton Thomáz e Gilberto Morais. Ao longo do evento ocorrerá ainda o “Troca-troca”, um balcão de trocas espontâneas onde qualquer pessoa pode deixar coisas em bom estado de conservação que não lhe sirvam mais e pegar para si itens de seu interesse. O evento é gratuito e tem classificação livre.

No encerramento da noite, às 20 horas, será exibido o aclamado espetáculo “Teodorico Majestade: as últimas horas de um prefeito”. Após ter sido apresentado na Alemanha em julho deste ano durante o Festival Internacional de Teatro de Frankfurt, o grupo retorna ao lar e reapresenta a montagem na área externa da Tenda, para todo o público. Com classificação indicativa de 14 anos e no formato “pague quanto quiser”, a obra traz novos elementos de cena e conta agora com um quarteto musical que acompanha o espetáculo ao vivo. A obra é uma sátira política em formato de cordel, construindo um protesto bem-humorado que mostra o lado ridículo dos bastidores da política corrupta e que, ao mesmo tempo, conclama o povo a exercer seus direitos de cidadão.

Em cartaz há quase 13 anos, a montagem surgiu como um posicionamento do Teatro Popular de Ilhéus diante dos escândalos ocorridos na cidade. No ano seguinte, a repercussão da peça contribuiu para a mobilização da população ilheense contra o então prefeito Valderico Reis, tendo histórica importância na cassação de seu mandato. Inspirada na literatura de cordel, na xilogravura e no cancioneiro nordestino, a peça narra o drama do prefeito da fictícia Ilha Bela, acuado em seu gabinete, cercado pela população revoltada com suas trapaças. Boca-suja e beberrão, o alcaide se vê abandonado pelos seus comparsas e, num ato de desespero para se manter no poder, tenta negociar com o povo, que pede sua cassação imediata. O espetáculo tem texto e direção de Romualdo Lisboa e conta com Ely Izidro no papel do prefeito “Teodorico Majestade”; Takaro Vítor como “Malote”; Tânia Barbosa como “Maria Antônia das Armas; Aldenor Garcia como “Gersinaldo Quina”; e Cabeça Isidoro como o “Cantador”.

O Teatro Popular de Ilhéus é uma instituição cultural mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.