Já são 92 casos registrados na região somente em 2019.

Uma tartaruga cabeçuda foi encontrada morta em uma praia de Itacaré, no sul da Bahia, na segunda-feira (26). Conforme o Projeto A-mar, que monitora os animais na região, com esse caso, subiu para 92 o número de tartarugas marinhas mortas na área de monitoramento do órgão.

Conforme Wellington Laudano, sub-coordenador do projeto, a tartaruga foi encontrada por banhistas, e estava em período reprodutivo. O animal foi vítima de emalhe em rede de pesca de arrasto, quando o equipamento tem formato de saco e os pescados (peixes, crustáceos e demais animais) são puxados a uma velocidade que deixa os animais presos.

Segundo informações de Wellington Laudano, desde 1994, é obrigatório o uso de um dispositivo que permite que tartarugas sejam ejetadas antes de chegarem ao fundo da rede. Este dispositivo, que é uma grade circular de metal implantada na rede, é chamado de TED (Turtle Excluder Device). Assim, as tartarugas marinhas podem escapar se forem capturadas.

De acordo com Wellington Laudano, a temporada de reprodução das tartarugas na região começa em outubro. No ano passado, foram registrados 134 mortes dos animais. (G1)