Evento é uma realização do Sistema FAEB/SENAR, em parceria com o Sebrae Bahia

O atual momento do agronegócio na Bahia e no Brasil esteve em debate nesta quarta-feira, 15 de maio, no Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec/Ceplac), em Ilhéus, com a participação de representantes do setor na esfera nacional, estadual e regional.

O evento Agro em Pauta, criado pelo Sistema FAEB/SENAR, em parceria com o Sebrae Bahia, teve o objetivo de fortalecer a imagem das instituições e levar ao produtor rural o conhecimento e as perspectivas para o segmento.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (FAEB), Humberto Miranda, destacou que a grande transformação tem que começar nos municípios, pois é onde os produtores residem. Ele conclamou por maior participação dos produtores junto às entidades. “O momento é muito importante para reforçar as representações institucionais, na defesa dos direitos da classe”, disse.

O superintendente adjunto da Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Antônio Zugaib, falou em dois desafios enfrentados atualmente pela instituição, que possui tecnologia, mas necessita de recursos humanos para transferir essa tecnologia. O segundo desafio está relacionado ao produtor de cacau, que está sem o crédito rural para investir em tecnologia.

“Além de solucionar as dívidas, os produtores precisam de dinheiro para investir”, apontou o produtor rural e presidente do Sindicato dos Produtores de Cacau de Una, Elias Gedeon, ao relatar os grandes problemas enfrentados pela classe, por muitos anos, devido à falta de créditos e dívidas elevadas com as instituições financeiras. Ele afirmou ainda a produção de cacau, hoje, alcança o nível de até 15% do que era produzido há 30 anos, quando seu pai foi considerado o maior produtor do mundo.

Com uma fala otimista e crendo nas possibilidades oferecidas pelo setor do agronegócio, o ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli, destacou que, a partir da integração com as entidades, alinhada com a busca por conhecimento e tecnologia em conjunto com os produtores, é sempre uma alternativa para alcançar objetivos em comuns.

De acordo com Paolineli, o Brasil é o único país que pode desenvolver uma produção com uma tecnologia criada nos últimos 40 anos, que é a agricultura tropical, altamente sustentável. “O Brasil, hoje, compete com os países ricos, mas nós ganhamos e somos exportadores de alimentos. Nós não vamos parar de crescer por causa da agricultura, da pecuária, das florestas, dos recursos naturais que nós temos”, declarou.

Investimentos

Sobre os investimentos feitos para o segmento de cacau e chocolate, o gerente adjunto do Sebrae, Michel Lima, declarou que a instituição tem desenvolvido ações voltadas para inovação e tecnologia do segmento.

“Para esse ano, a previsão é de R$ 1 milhão para inovação e acesso a mercados”, destacou, reforçando a fala do presidente da FAEB ao lembrar a importância do trabalho em conjunto para fortalecer o agronegócio.

O encontro contou ainda com a palestra da Engenheira Agrônoma e Superintendente Técnica Adjunta da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Natália Fernandes, que falou sobre as ações da entidade em Brasília, em representação aos produtores nas áreas agrícolas, pecuária, questões fundiárias e de meio ambiente, em atuação no Congresso Nacional e no Governo Federal.