Pela movimentação, risco de tempestade atingir Ilhéus é reduzido.

tempestade tropical ‘Iba’ apresentou, às 15h desta segunda-feira (25), intensidade máxima dos ventos de 101 km/h em alto-mar, em um círculo de 185 km em torno da posição de seu centro, informou a Marinha.

A tempestade se localiza a cerca de 260 km (140 milhas náuticas) da cidade de Linhares (ES), estendendo-se entre o litoral sul do estado da Bahia e norte do Espírito Santo — a região costeira não foi atingida pelo fenômeno climático. A mudança na direção da tempestade afasta o fenômeno da região cacaueira, fazendo com que os efeitos dificilmente sejam sentidos por aqui.

Conforme a Marinha, os efeitos do Iba, termo em tupi-guarani que significa “ruim”, podem continuar a ser sentidos no litoral sul do estado da Bahia e do Espírito Santo até a noite de terça-feira (26), quando se espera que deixe de influenciar o litoral sul baiano e passe a influenciar também o litoral norte do Rio de Janeiro.

A Marinha informou que o deslocamento da tempestade continua previsto predominantemente para o Sul, com leve componente para Oeste até a noite desta segunda, quando se espera que passe a se deslocar com leve componente para Leste, até a noite de terça, afastando-se da costa.

A Marinha disse que são esperados ventos fortes entre o litoral norte do estado do Rio de Janeiro e o litoral sul da Bahia, podendo atingir 101 km/h (55 nós) em alto-mar, no setor Leste do ciclone, e 61 km/h (33 nós) junto à costa, entre a noite desta segunda e a noite de terça.

Há previsão de mar grosso a muito grosso no mesmo trecho do litoral, com alturas de ondas entre 3 e 5 metros em alto-mar.

Há possibilidade de ocorrência de ressaca atingindo a costa entre Vitória (ES) e Caravelas (BA), com ondas de até 2,5 metros, até o dia 25 à noite, e entre Marataízes (ES) e Linhares (ES). A condição de tempo severo provocada pelo sistema ocorrerá principalmente em alto-mar, associada à chuva intensa, disse a Marinha.

A Marinha informou que mantém todos os avisos de mau tempo em vigor na internet.

FONTE: G1 Bahia e Marinha do Brasil