Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente na Livraria Papirus pelos valores de R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia).

A peça “O Grande Yorick” indicada ao prêmio Braskem de Teatro, com texto e direção de Ed Paixão, entra em cartaz no Teatro Municipal de Ilhéus, com única apresentação em comemoração ao mês do Teatro e do Circo, no dia 29 de março às 20 horas.

“O Grande Yorick” conta a história de Willian Chagas, um apaixonado ator de teatro, que abraça o mundo como um Quixote sonhador em busca de aventuras fora do cotidiano, da realidade imposta pela sociedade, mas no decorrer de suas peripécias vai amargando o dessabor e a cruel falta de empatia dos seres humanos para com a dor alheia e surta em meio ao caos. Inspirado na belíssima e sensível obra de Miguel de Cervantes, Dom Quixote, e na filosófica e vingativa obra de Willian Shakespeare, Hamlet, nasce a montagem da Trupe Teatro Sem Fim que acontece nos tempos atuais.

Os atores trazem a vida uma obra literária que bebe e homenageia o teatro clássico com todos os seus anjos e demônios expostos. A construção das personagens, a transformação numa outra pessoa é uma das formas arquetípicas da expressão humana e o teatro é tão velho, quanto a humanidade. Com uma trilha sonora executada ao vivo pelo músico Luan Borba e com músicas cantados sem microfone pelo elenco, a peça mostra a força do ritual da oralidade e o teatro como uma vela, consumindo a si mesmo no próprio ato de conceber a luz, e que no final vive na memória do público presente.“O espetáculo me deixou muito extasiada. Sou atriz, faço teatro há muito anos, e já vi muitas outras peças, mas essa é uma daqueles que fica marcada na memória, pela coragem, criatividade, dramaturgia e sintonia do elenco. Os três atores em cena mais o músico que faz a trilha ao vivo, funcionam como um grupo gigante, fica a impressão de que é uma peça com muitos atores, pois somos bombardeados por tantos personagens e então pouco tempo de troca de cenário e figurino, e com um ritmo que não deixa a peteca cair em nenhum momento, que chegamos no final como público em catarse. E a história é muito bem amarrada, o autor foi muito perfeccionista nos mínimos detalhes, todas as peças bem interligadas nessa mistura de teatro e áudio visual. A indicação ao prêmio Braskem de Teatro é muito merecida e é um espetáculo que compete em pé de igualdade com qualquer produção técnica da capital.” Ressalta, Aline Mota, atriz que assistiu à apresentação do espetáculo em Camaçari durante o 3º Festival de Teatro do Interior da Bahia.