Ex-candidata ao governo do Rio de Janeiro, Márcia Tiburi deixa o país após receber ameaças de morte.

Ex-candidata ao governo do Rio de Janeiro no último ano, a filósofa Márcia Tiburi decidiu sair do país após sofrer ameaças. Acompanhada de segurança em eventos, a escritora afirma que se viu forçada a mudar-se do Brasil após a disseminação de “mentiras na internet” e de ter a vida pessoal “virada do avesso”.

De acordo com reportagem publicada na Carta Capital, Tiburi está vivendo em algum lugar do nordeste dos Estados Unidos desde dezembro, onde foi convidada para uma residência literária. O local é mantido em segredo por questões de segurança. 

Márcia é autora de mais de vinte livros de filosofia e ficção e recentemente lançou “Delírio do poder”. A obra é um ensaio sobre o Brasil político de 2018 e as eleições. O livro é dedicado a Lula e Marielle Franco e inspirado parcialmente por “Memórias do cárcere”, de Graciliano Ramos, e “Totem e tabu”, de Freud, entre outros.

Na semana passada, a ex-candidata recebeu uma carta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que irá para a orelha do livro. 

“À Márcia Tiburi não falta coragem. Nas suas opiniões, ideias e atitudes, ela não tem medo de arriscar, de dizer o que pensa e sente, de correr o risco de desagradar. Ela não vai se calar diante de uma injustiça ou para manter um espaço em um canal de TV. Ela não vai nunca abdicar da sua voz e das suas reflexões. Ela vai dizer e escrever o que ela pensa. O seu leitor pode ter certeza disso”, escreveu o petista. 

Márcia Tiburi é a segunda liderança da esquerda a deixar o País pelo clima de perseguição e insegurança que se instalou após a eleição do presidente Jair Bolsonaro. 

No final de janeiro deste ano, o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) abandonou o mandato para o qual foi reeleito e deixou o Brasil após sofrer intensas ameaças de morte, incluindo seus familiares.