Navio esteve em Ilhéus durante esta temporada.

Um morador de Santos, no litoral sul paulista, contraiu sarampo após viajar no navio MSC Seaview. A informação foi confirmada nesta sexta-feira, 1º, pelo Instituto Adolfo Lutz, que enviou resultados de exames à Seção de Vigilância Epidemiológica (Seviep) da Secretaria de Saúde de Santos. O navio teve cinco escalas programadas em Ilhéus nesta temporada e a última delas foi no mês passado, no dia 13 de Fevereiro.

De acordo com a Prefeitura santista, a pessoa infectada viajou no transatlântico entre os dias 2 e 9 de fevereiro, antes da passagem por Ilhéus. O morador começou a passar mal no dia 25 e procurou uma policlínica. Amostras de sangue, urina e da mucosa nasal foram colhidas e encaminhadas ao Instituto Adolfo Lutz.

Por causa dos sintomas apresentados (tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas), que costumam surgir entre dez e 14 dias após a exposição, ele foi orientado a ficar em casa. Os familiares do paciente já foram vacinados.

Desde fevereiro, ao menos 16 casos de sarampo foram confirmados entre tripulantes do MSC Seaview. Equipes da vigilância sanitária de Santos, Secretaria de Estado da Saúde e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já vacinaram mais de 10 mil pessoas que embarcaram e desembarcaram no Terminal Marítimo de Passageiros Giusfredo Santini (Concais). A tripulação foi imunizada em Balneário Camboriú (SC).

Todos receberam uma dose da tríplice viral – SCR (sarampo, caxumba e rubéola) – que tem aplicação subcutânea, com agulha e seringa. Trata-se de uma vacina atenuada, contendo vírus vivos ‘enfraquecidos’, além de outros compostos (aminoácidos, albumina humana, sulfato de neomicina e sorbitol), gelatina e traços de proteína do ovo de galinha, usadas no processo de fabricação.

A prefeitura de Ilhéus emitiu nota de esclarecimento no dia 20 de fevereiro, quando na ocasião foram confirmados 13 casos de sarampo entre tripulantes. Na nota a prefeitura lembrava que não tinha casos registrados e que as salas de vacinação se encontram abastecidas.