Carro com suprimentos enviado pelo governo brasileiro.

A Presidência da República divulgou nota oficial na noite de hoje (24) informando que os caminhões com ajuda humanitária destinada à Venezuela retornaram para a região de Pacaraima (RR), no lado brasileiro da fronteira, sem que os suprimentos, que incluem alimentos não perecíveis e medicamentos, fossem entregues.

“Em função da impossibilidade de prosseguir em território venezuelano, como planejado, as viaturas retraíram para a região de Pacaraima (RR), estando neste momento em segurança e estacionadas no Pelotão Especial de Fronteira ali desdobrado”, informou a Secretaria Especial da Comunicação Social da Presidências da República (Secom/PR).

Ainda segundo a nota, “novos deslocamentos serão planejados à medida que os meios de transportes estejam disponíveis e a situação diplomática e de segurança esclarecidas”.

Normalidade

O governo federal diz que a situação é de normalidade na faixa de fronteira. A nota ressalta que o Ministério da Defesa ampliou as capacidades da Operação Acolhida, em atividade há mais de um ano, mediante aumento do efetivo da equipe de saúde e ampliação do sistema de evacuação médica.

O vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, estão a caminho de Bogotá onde participam da reunião do Grupo de Lima, que acontece amanhã (25), na capital colombiana. Mais cedo, pelo Twitter, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou sua chegada a Bogotá para participar da reunião do grupo. O encontro, que contará com a presença do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, vai discutir o acirramento da crise na Venezuela.