A exibição das duas montagens inspiradas na obra de Bertolt Brecht fecha com chave de ouro a segunda semana de programação de dezembro no TPI, que segue ainda com dois espetáculos por semana até o fim do ano. As sextas e sábados deste mês vão contar com shows musicais, espetáculos consagrados da companhia e apresentações de convidados especiais.

Já nesta sexta-feira, dia 14, o ator, músico e compositor Cabeça Isidoro fará seu show de lançamento do DVD “Amor, Política e Ozadia” marcado para começar às 20 horas na Tenda. A gravação do DVD ocorreu no dia 06 de setembro no Teatro Municipal com grande sucesso de público. O show de lançamento agora traz um formato mais dançante, em que o picadeiro da Tenda TPI ficará livre para que o público possa curtir a apresentação com ainda mais energia que antes. A performance, dirigida por Iara Colina, tem um repertório autoral que retrata e analisa nossa sociedade de forma lúdica, irreverente e irônica. Cabeça traz ainda a participação do quarteto “Os inflamáveis”, composto por Pablo Lisboa, Guilherme Pessoa, Lula Soares e Danilo Bass. Aqueles que adquirirem o ingresso “inteira” terão ainda direito ao DVD físico.

No dia 15 (sábado) ocorre a estreia do espetáculo “Travessias… ciclos transatlânticos”, do coletivo Afro (en)cena em sua primeira experimentação cênica. A montagem traz questionamentos sobre a diáspora africana no Brasil, pensando as questões do corpo negro, ancestralidade, história e resistência. O espetáculo tem entrada gratuita com “passagem de chapéu” na modalidade “Pague o quanto quiser”. O valor arrecadado contribuirá para a construção da nova arquibancada da Tenda Teatro Popular de Ilhéus.

Na sexta-feira seguinte (21), vai em cena a famosa peça “Teodorico Majestade: as últimas horas de um prefeito”. Em cartaz há mais de 12 anos, o espetáculo conta histórias do “jogo político” com um diálogo leve e bem humorado escrito em cordel. O texto fala sobre a responsabilidade e exercício de cidadania de uma população que se revoltou contra Teodorico Majestade, um prefeito corrupto que entregou Ilha Bela ao caos. O espetáculo teve papel importante na mobilização da população de Ilhéus para a cassação do então Prefeito Valderico Reis, em 2007.

Dia 22 (sábado) é a vez do espetáculo “Carranca”, da Cia. de Teatro Mistura, de Ibotirama. A montagem interpretada por Gilberto Morais está de volta ao TPI trazendo Zé das Carrancas, personagem pitoresco e engraçado que canta e declama seus versos e rimas sobre a história das tradicionais esculturas de madeira que ficam nas proas dos barcos, com o objetivo de espantar maus espíritos, afugentar mal olhado e proteger os barqueiros.

Na última semana de dezembro, no dia 28 (sexta) teremos mais música com Cabeça Isidoro, dessa vez trazendo o espetáculo “Ensaio sobre uma tal democracia”. A montagem, que estreou em 2016, apresenta um repertório de 15 músicas que surgem da inquietação provocada pela crise política, social e moral no Brasil. O espetáculo conta ainda com a participação de Jahgga, percussionista da banda O’Quadro.

E para encerrar o ano com chave de ouro, no sábado (29) o musicista Franklin Costa apresenta seu show “Rodando a Bossa Nova na Tenda” – um recital de voz e violão que passeia pela história da música brasileira. O músico, que estudou na Escola Técnica Estadual de Criatividade Musical de Recife (PE), promete uma roda de samba-bossa-nova que conta a história do gênero em um espetáculo cheio de nostalgia e energia.

Os ingressos dos espetáculos custarão R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), e podem ser adquiridos na Livraria Papirus, na bilheteria do Teatro Popular de Ilhéus e no site teatropopulardeiheus.com.br/programacao. O TPI também lembra que aqueles que não têm direito à meia entrada ainda podem adquirir o Cartão Fidelidade TPI, que por uma anuidade de apenas R$ 25 garante a meia entrada do usuário em todos os espetáculos da tenda durante o ano.

O Teatro Popular de Ilhéus é uma instituição cultural mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.