Futura Ministra de Bolsonaro é acusada de participação no esquema da JBS. FOTO: Twitter

A futura ministra da Agricultura do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Tereza Cristina (DEM-MS), concedeu incentivos fiscais ao grupo JBS na mesma época em que manteve uma parceria pecuária com a empresa.

A deputada arrendava uma propriedade em Terrenos (MS) aos irmãos Joesley e Wesley Batista para a criação de bois e, ao mesmo tempo, ocupava o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção de Mato Grosso do Sul.

Os documentos assinados por Tereza foram entregues pelos delatores da JBS em agosto de 2017 como complemento ao acordo de delação premiada fechada em maio entre os executivos da empresa com a PGR (Procuradoria Geral da República) e homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

O Presidente eleito, minimizou a denúncia e disparou “Eu também sou réu no Supremo, e daí?” lembrando que ele responde a uma ação por incitação ao estupro. Afinal de contas sou um ser humano, posso errar, e, se qualquer ministro tiver uma acusação grave e comprovada, a gente toma uma providência. Neste momento, ela goza de toda a confiança nossa”, completou.