Oficina de Libras na Casa Amarela

Como parte do projeto “Sementes da Vida”, ao longo do mês de novembro, a Escola & Brinquedoteca A Casa Amarela vai trabalhar o tema “Respeito”. Integrando as atividades, as crianças do 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental I participaram da “Oficina de Libras – Língua Brasileira de Sinais”, na tarde da última quarta-feira (07), ministrada pelas intérpretes do Centro de Referência à Inclusão Escolar (CRIE) de Ilhéus, Gislaine Dantas e Milena Andrade. Ainda houve a participação da pequena Rute, que tem cinco anos e é surda, apresentando o alfabeto e saudações em Libras. 

Segundo a diretora pedagógica da Casa Amarela, Sara Lemos, a realização da Oficina de Libras foi idealizada na perspectiva de discutir, dialogar e refletir sobre a temática da inclusão. “As crianças perceberam que todos temos limitações, mas podemos superá-las através da informação e desenvolvimento da empatia”, explicou a pedagoga. A presença de Rute também foi importante para demonstrar que, mesmo surda, também é capaz de ensinar. “Ela é igual a nós”, constatou Mariana Neves, estudante do 1º ano do Ensino Fundamental I.

A iniciativa da Casa Amarela busca estimular valores de solidariedade e cidadania. Ao longo da semana, os estudantes aprenderam sobre a história da Libras, sua importância enquanto primeira língua dos surdos no Brasil e seu reconhecimento como meio de comunicação e interação garantido por lei. “Como escola, entendemos a relevância de abrir espaço para a valorização da diversidade e fortalecimento da inclusão”, frisou Sara Lemos.