Em entrevista para a Folha de São Paulo, Ciro abriu o jogo sobre o não alinhamento com o PT.

O candidato derrotado à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, deu entrevista para o jornal Folha de São Paulo nesta terça-feira (30) na qual disse estar chateado com a falta de apoio do ex-presidente Lula e se sentiu traído.

Ele ainda afirmou que “fomos miseravelmente traídos pelo ex-presidente Lula e seus asseclas”. O pedetista disse que não declarou voto em Fernando Haddad no 2º turno porque não quer mais fazer campanha com o PT. Segundo Ciro, “o PT elegeu Bolsonaro”. “Em uma eleição que tem só dois candidatos, na noite do primeiro turno, disse à imprensa: “Ele não”. O que ele quer mais agora?” completou Ciro.

Ciro ainda disse não querer fazer parte de uma possível unificação da esquerda, por se sentir traído pelas antigas alianças politico-partidárias. “Não quero participar dessa aglutinação de esquerda. Isso sempre foi sinônimo oportunista de hegemonia petista. Quero fundar um novo campo, onde para ser de esquerda não tem de tapar o nariz com ladroeira, corrupção, falta de escrúpulo, oportunismo. Isso não é esquerda” disse Ciro.

Ele ainda comentou que chegou a ser convidado por Lula para ser o candidato da chapa, mas recusou dizendo que não foi candidato de Lula “porque seria uma fraude. Fui convidado a praticá-la. Esses fanáticos do PT não sabem, mas o Lula, em momento de vacilação, me chamou para cumprir esse papelão que o Haddad cumpriu. E não aceitei”.