Ao som do hino do Esporte Clube Bahia, seu time do coração, o advogado Gamil Föppel ingressou no plenário Cosme da Farias, da Câmara Municipal de Salvador, na noite desta segunda-feira (15), para receber a Medalha Thomé de Souza, mais alta honraria do legislativo municipal.

Em seu discurso, o jurista, que é professor da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e especializado em Direito Penal, falou sobre defesa à democracia e do papel da advocacia nesse quesito. “Questionam irresponsavelmente valores da democracia e da república. (…) É nos momentos de crise que os advogados se agigantam. Aqueles que silenciam pagarão o preço implacável de suas omissões”, comentou.

Ele ressaltou que o caminho para se alcançar uma sociedade justa e igual é o respeito às leis, mas que é também preciso criar um ambiente que garanta condições de igualdade para todos. 

Pré-candidato à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Bahia (OAB-BA), ele também comentou o caminho árduo que jovens advogados e advogadas precisam trilhar para atuar na área. Ainda assim, disse acreditar na rapaziada. “Nada, absolutamente nada, supera a força de vontade”, comentou.

Ao citar Cosme de Farias, que dá nome ao plenário da Câmara, Gamil lembrou que, mesmo sem diploma de Direito, ele foi um defensor dos mais pobres e também um combatente contra o analfabetismo, classificado pelo homenageado como “uma forma moderna de escravidão”. 

Amigos

O prefeito ACM Neto esteve presente à homenagem a Gamil Föppel, de quem é amigo pessoal e foi colega na Faculdade de Direito da Ufba. Neto ressaltou que Gamil sempre foi um aluno de destaque e tornou-se um jurista brilhante, que honra o nome da Bahia fora do estado. “Gamil é reconhecido pela advocacia muito decente que ele faz e pela preocupação com a vida humana. É um jurista que pode ocupar qualquer grande posição no meio jurídico brasileiro”, disse o prefeito.

A homenagem a Gamil Föppel foi idealizada pelo vereador Euvaldo Jorge (PPS). “Fico muito feliz por ter essa proposição aprovada por unanimidade aqui na Casa”, disse Euvaldo, que leu, antes da entrega da medalha, uma breve biografia do homenageado.