Candidatos seguem campanhas presidenciais com ataques de lado a lado.

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, admitiu nesta quinta-feira (11) a possibilidade de não comparecer aos debates no segundo turno por questões de estratégia política, mesmo que seja liberado pelos médicos para participar.

Adversário do capitão da reserva, Fernando Haddad (PT) tem cobrado a participação de Bolsonaro nos encontros, mas a equipe médica desaconselhou a presença no último debate do primeiro turno, na TV Globo, e no encontro que estava previsto para esta quinta-feira, na TV Bandeirantes.

Pelo Twitter Haddad disse acreditar que Bolsonaro “não vai participar de debates”. “Ele tem dado entrevistas todos os dias, não pode reservar duas horas para um debate cara a cara comigo? Até para eu poder desmascarar as mentiras dele”, disse.

Inicialmente, a campanha de Bolsonaro trabalhava com a possibilidade de ele ir a dois encontros no segundo turno: os organizados pela Record e pela Globo.

O candidato do PSL ironizou a mudança de logotipo da campanha adversária, que trocou o vermelho do PT pelo verde e amarelo da bandeira brasileira. Bolsonaro chamou Haddad de “camaleão” e pau mandado, ao citar as visitas do petista ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba. “Eu vou debater com o Haddad ou com o Lula? Qual é a autenticidade do Haddad?” completou Bolsonaro.