Corrida presidencial

O Ibope lançou nesta quarta-feira mais uma pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. Segundo o levantamento, Jair Bolsonaro (PSL) passa de 31% para 32%, enquanto Fernando Haddad (PT) sobe de 21% para 23%. No segundo turno, Haddad (43%) e Bolsonaro (41%) aparecem empatados dentro da margem de erro.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

  • Jair Bolsonaro(PSL): 32%

  • Fernando Haddad(PT): 23%

  • Ciro Gomes(PDT): 10%

  • Geraldo Alckmin(PSDB): 7%

  • Marina Silva(Rede): 4%

Os outros não passaram de 2% nas intenções. Brancos e Nulos foram 11%.

Os apoiadores do candidato do PSL confiam na possibilidade de vitória do candidato Jair Bolsonaro no primeiro turno. Ela é pequena, mas existe. Desde a eleição de FHC que isso não ocorre no Brasil, para isso o candidato teria que somar mais da metade dos votos válidos (exclui-se da conta os Brancos e Nulos). Ou seja, ele precisaria de pelo menos 51% dos votos válidos FHC, por exemplo, foi eleito com 54% dos votos na época. O IBOPE também divulgou um levantamento já contando apenas com estes votos e excluindo os Brancos, Nulos e Indecisos:

  • Jair Bolsonaro(PSL): 38%

  • Fernando Haddad(PT): 28%

  • Ciro Gomes(PDT): 12%

  • Geraldo Alckmin(PSDB): 8%

  • Marina Silva(Rede): 4%

  • João Amoêdo(Novo): 3%

A rejeição aos candidatos também apontou números altos, mas que estão dentro da margem de variação dos candidatos ao longo da campanha. Bolsonaro variou de 44% para 42%, Haddad de 38% para 37%, Marina de 25% para 26%, Alckmin 19% para 17% e Ciro de 18% para 16%. Todas as variações estão dentro da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Nas simulações de segundo turno, Haddad e Bolsonaro possuem empate técnico. Haddad 43% x 41% Bolsonaro. Num cenário entre Ciro e Bolsonaro, o candidato do PDT venceria com uma folga maior, 46% contra 39%. Alckmin 41% x 40% Bolsonaro e Bolsonaro 43% x 39% Marina são outros cenários possíveis que foram analisados.