Apesar das outras aprovações, Lucas Lins manteve estudos para conseguir vaga no curso que sonhava fazer. Jovem mora em Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador.

Após se dedicar aos estudos por três anos, o jovem Lucas Lins realizou o sonho de conseguir uma vaga no curso de medicina em uma instituição pública, no mês passado, aos 20 anos. O estudante é um dos aprovados no vestibular 2018.2 da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), cidade a cerca de 100 km de Salvador.

Antes de conseguir a vaga, Lucas foi aprovado em outros oito vestibulares públicos, mas optou por continuar tentando alcançar o curso de medicina. O objetivo dele é se formar e, em seguida, se especializar em oncologia.

Integrante de família simples, o estudante sacrificou os finais de semana e deixou de lado as festinhas e as saídas com os amigos, para conseguir entrar no curso. Lucas terminou o ensino médio em 2015. Desde então, ele tem tentado realizar o sonho.

“No início, eu começava a estudar 14h por dia. Então, eu ficava bastante cansado, mas tudo valeu a pena. Hoje, parece que não foi nada. Compensou bastante ver o resultado, o nome na lista lá. Foi maravilhoso”, contou Lucas Lins.

O estudante fez o ensino fundamental e o médio na escola pública. Ex-aluno do Colégio Estadual Gastão Guimaraes, em Feira de Santana, Lucas é orgulho para os professores e para direção da instituição, junto com outros estudantes que saíram da unidade.

Neste ano, dez alunos da turma de 2017 do colégio também garantiram vaga em um dos cursos da Uefs. Entre eles estão Vitória Machado, que passou pra pedagogia; Evelin Suzart, aprovada em engenharia da computação; Denysson Wandyson, que vai entrar em bilogia; Alan Souza, que foi aprovado em licenciatura em música; e Pablo Lima, que passou pra educação físca.

“Muito esforço, muito estudo, muita dedicação. Abri mão de tudo”, disse Vitória Machado. “Estudava até tarde todo dia. Não tinha folga”, contou Evelin Suzart.

Apesar de se dedicarem aos estudos, os jovens aprovados dizem que o mérito não é só deles. Eles fazem questão de mencionar o esforço da família e a atuação dos professores.

“Quando você encontra professores, a família lhe estimula a uma busca por isso, que lhe inspira, aí tudo se torna mais fácil”, falou Denysson wandysson.

O estudante Alan Souza também reforça o estímulo. “Geralmente, aqui, muitos professores nos alertavam: ‘olha, faça o que você gosta’. Tive muitos professores dedicados, que faziam por amor mesmo”, disse.

Outros estudantes que também sonham com a aprovação em vestibulares no futuro, encontram nos jovens aprovados um exemplo a ser seguido.

“É muito gratificante ter essa honra, de passar no vestibular e concorrer à uma bolsa integral”, falou a estudante Isabelle, de 11 anos.

Orgulhosa, a diretora da instituição, Alfreda Xavier, comentou as aprovações. “Nós ficamos muito felizes com esse grande número de aprovação na universidade pública. Saindo da escola pública para a universidade pública. É uma parceria. Tem que andar junto a família com a escola. Não adianta só estudar na escola e não ter a base em casa, com os pais ajudando e dando todo o apoio que necessitam para essa vitória”, relatou a diretora do colégio. Com informações do G1.