De acordo com a PM, os artefatos foram deixados pelos bandidos no imóvel, na cidade de Eunápolis. Parte deles foi destruída e outra parte encaminhada para perícia. Foto: Polícia Militar.

Os explosivos deixados pela quadrilha que atacou a empresa de valores Prosegur, na cidade de Eunápolis, no sul da Bahia, foram “neutralizados” na tarde desta terça-feira (6) por policiais militares do grupamento antibombas, do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Polícia Militar.

De acordo com a PM, 30 kg de explosivos foram achados na área da empresa. Parte dos artefatos foi encaminhada para a pericia técnica e o restante destruído em um local que não foi detalhado pela polícia. A polícia não informou a quantidade exata de explosivos destruídos.

Durante a ação do Bope, na tarde desta terça-feira, o imóvel alvo do ataque dos criminosos ficou isolado. O trabalho da polícia despertou a curiosidade de moradores, que acompanharam a operação à distância.

Até por volta das 20h, nenhum suspeito de participar do crime, que deixou um segurança da empresa morto e outros seis funcionários feridos, havia sido preso.

Entretanto, durante uma busca na região, quatro veículos cobertos com uma manta e escondidos dentro da mata, em um povoado do município de Belmonte, a cerca de 130 km de Eunápolis. Os veículos também serão periciados.

O segurança Elivar Nadier Sobrinho foi enterrado no final da tarde desta terça, na cidade de Itapebi, a cerca de 56 km de Eunápolis. Dos seis feridos, dois estão em estado grave. Não há detalhes do estado de saúde dos outros quatro.

Ataque

O crime ocorreu por volta de 0h20 desta terça-feira, na Rua Doutor Gravatá. Foram cerca de 40 minutos de tiros e explosões, que assustaram os moradores da cidade.

Em nota, a empresa disse que o ataque foi frustrado graças aos sistemas de segurança instalados pela companhia, tornando o acesso ao dinheiro inviável. Por isso, os valores não foram levados pelos bandidos. A Prosegur também lamentou a morte do vigilante e disse que espera que as autoridades locais se mobilizem de forma conjunta, com ações preventivas e repressivas para conter ataques como este.

A companhia ainda informou que está dando assistência aos feridos e também à disposição para colaborar com o andamento das investigações.

Além de explodir a empresa, o grupo também ateou fogo em frente ao quartel de uma unidade da Companhia Independente de Policiamento Especializado Mata Atlântica (CIPE-MA), o que impediu a saída dos policiais. Ninguém ficou ferido pelo incêndio.

Os criminosos ainda usaram carretas para bloquear trechos da BR-101, que liga Eunápolis a Itabuna.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) informou que o Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) investiga o caso e que a PM conta com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas buscas pelos criminosos.

Após a explosão, a entrada da empresa ficou destruída. Lojas vizinhas também tiveram as vitrines quebradas. Toda área onde funcionava o imóvel foi isolada.

Em nota, a Prossegur informou que as operações serão retomadas na quarta-feira, em um novo endereço. Conforme a empresa, a mudança de local já estava programada antes do ataque desta terça, por conta do aumento na demanda. Do G1.