Mulher tinha 31 anos e estava internada há seis dias. Wenceslau Guimarães, município localizado no baixo sul do estado, tem 23 casos confirmados, segundo prefeito.

Uma moradora de Wenceslau Guimarães, cidade no baixo sul da Bahia que passa por um surto de malária, morreu nesta segunda-feira (22), na cidade de Ilhéus, no sul do estado, por conta de complicações causadas pela doença. A paciente foi identificada como Luciene Souza dos Santos, de 31 anos.

A informação foi divulgada ao G1 pelo prefeito de Wenceslau Guimarães, Carlos Alberto Liotério, e confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

Este seria o segundo óbito em decorrência da doença na cidade. No entanto, a primeira morte, divulgada pela Sesab na quinta-feira (18), agora é tratada como caso “sob investigação”, já que o corpo do paciente não passou por análise laboratorial, para confirmar se a causa da morte foi mesmo a malária.

De acordo com a Sesab, a Vigilância Epidemiológica do Estado tenta conseguir mais amostras de sangue do paciente, para atestar a malária como causa da morte. Caso a doença não seja confirmada em exame, ou não haja uma outra causa identificada, a morte será classificada como causa indefinida.

Conforme o prefeito Carlos Alberto Liotério, Wenceslau Guimarães tem 23 casos confirmados da doença. No entanto, a Sesab informou que tem o registro apenas de 21 casos.

De acordo com o prefeito, a paciente que morreu nesta segunda-feira estava internada no Hospital do Cacau, em Ilhéus, desde o dia 20. No entanto, já havia passado por um hospital na cidade de Valença e pela unidade de saúde de Wenceslau Guimarães, onde teve a doença constatada no dia 16 de janeiro.

Conforme o prefeito, a mulher tinha 31 anos e era moradora da comunidade de Chico Lopes, que fica localizada na zona rural de Wenceslau Guimarães. Segundo Carlos Alberto, todos os outros casos registrados são provenientes da mesma região.

Ainda de acordo com o prefeito, o corpo da paciente foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus, e deve ser transferido para a cidade onde ela morava, para o sepultamento. Do G1.