Uma comitiva do Grupo de Acompanhamento da construção da nova ponte e do novo sistema viário que ligará os bairros centro-Pontal, formado por representantes da Prefeitura de Ilhéus e demais instituições, participou de uma reunião de apresentação do andamento dos trabalhos da Construtora OAS, empresa responsável pela execução da obra. Durante a reunião, os engenheiros da construtora apresentaram ao grupo, um panorama do andamento geral da obra, apresentação das licenças ambientais e de segurança, além das atividades de desapropriação que estão sendo executadas pelo governo do estado.

A comitiva foi recepcionada no canteiro de obras pelos engenheiros e técnicos responsáveis da construtora, que fizeram uma explanação sobre a evolução da obra e o atual estágio do empreendimento, que segundo eles, atingiu setenta por cento de fundação pronta e a marca de 460 dias sem acidentes de trabalho, além das políticas de qualidade, segurança, responsabilidade social, saúde e meio ambiente, condicionantes exigidas pelos órgãos fiscalizadores para o início e conclusão da obra.

Foi o que constatou in loco o vice-prefeito e secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável, José Nazal Soub. Segundo ele, esses encontros minimizam impactos e os conflitos que podem aparecer numa obra desse porte. “Esperamos que o cronograma seja cumprido como estabelecido, e que a cada bimestre, possamos informar com precisão a população ilheense detalhes da construção da nova ponte”, disse.

Para o líder da Colônia de Pescadores Z-34, Zé Neguinho, esta é uma obra de grande importância para o município de Ilhéus e região, mas que exige um acompanhamento mais aprofundado quando o assunto é a atividade pesqueira na cidade. “Temos discutido, a base de pescadores, com os órgãos sobre as condicionantes do projeto, a fim de que o diálogo aconteça, diminuindo problemas, evidenciando questionamentos com a Seinfra, com a OAS, sobre os assuntos de interesse do fomento pesqueiro”, pontuou.

Novo cartão postal – Considerada a primeira ponte semiestaiada da Bahia que beneficiará milhares de moradores e visitantes, a ponte ligará a Orla Sul à Orla Norte, da praia do Cristo ao Morro de Pernambuco. O comprimento será de 533 metros e sua largura de 25,30 metros, com quatro faixas de rolamento para veículos, uma ciclovia e uma faixa para pedestre. De acordo com o projeto, fará parte do conjunto da obra, um sistema viário de acesso ao Porto de Malhado, Distrito Industrial de Ilhéus e ao futuro Porto Sul, além das facilidades de locomoção entre as praias do Sul e do Norte, sinônimos de investimentos na área do turismo e da indústria o que dinamiza a economia local.

Desapropriações – 72 dos 90 imóveis situados na área de desapropriação no bairro Nova Brasília, já foram cadastrados e documentação estão em avaliação pela Seinfra, em Salvador. Ainda segundo informações dos técnicos, mais 12 casas serão desapropriadas para que a obra avance.

Segundo determinações das condicionantes, a desmobilização dos aterros provisórios e materiais provenientes da obra, a Construtora OAS será orientada pelo município a destinar 33,751 m² de areias e 18.721 m² de pedras, às localidades que necessitam de aterramento, a exemplo da Sapetinga, São Miguel e São Domingos (Rodovia).

Além da Prefeitura, outras instituições participam do Grupo de Acompanhamento: a Associação Comercial de Ilhéus (ACI); Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc); Faculdade Madre Thais (FMT); Bahia Pesca; Associação de Moradores do Pontal; das Colônias de Pescadores Z-34 e Z-19; Capitania dos Portos; Associação de Turismo de Ilhéus (Atil); Secretaria de Infraestrutura do Estado da Bahia (Seinfra), além dos engenheiros, geógrafos e técnicos da Construtora OAS.