confedeA Copa das Confederações acrescentou R$ 9,7 bilhões ao Produtor Interno Bruto (PIB) brasileiro, segundo informação divulgada, nesta segunda-feira (7), pelo Ministério do Turismo.
De acordo com a pesquisa, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o torneio gerou um movimento de R$ 20,7 bilhões, dos quais R$ 11 bilhões referentes a gastos de turistas, do Comitê Organizador Local e de investimentos privados e públicos e o restante como renda acrescentada ao PIB.
A expectativa é de que a Copa do Mundo movimente três vezes o valor. Ainda segundo o estudo, dos R$ 9,7 bilhões do PIB, 58% ficaram nas cidades-sede e 42% foram distribuídos pelo restante do país.
Como base para o cálculo, utilizou-se a soma dos investimentos públicos e privados em infraestrutura (R$ 9,1 bilhões), dos gastos dos turistas nacionais (R$ 346 milhões) e estrangeiros (R$ 102 milhões) e dos investimentos do Comitê Organizador Local (COL) no evento (R$ 311 milhões).
A consulta mostrou que o Rio de Janeiro foi a cidade com a maior movimentação financeira entre as seis sedes (R$ 6 bilhões). A capital fluminense acrescentou R$ 2,8 bilhões ao seu PIB e registrou, também, a maior geração de empregos (59 mil) entre as sedes da Copa. Juntos, turistas brasileiros e estrangeiros gastaram, no Rio, R$ 117 milhões.
Para a pesquisa, foram ouvidas 17 mil pessoas e analisados os gastos e investimentos para a realização do evento.