BAHIA 247
oposiçãoEmbora pregue ‘tranquilidade’ e defenda anúncio do candidato que encabeçará a possível chapa única dos opositors ao governo do estado apenas depois do Carnaval, em março, o prefeito ACM Neto (DEM) já está se convencendo de que também não pode demorar muito para que os partidos se definam por que o bloco do governo já está na rua com escolha do petista Rui Costa para dispuar a sucessão de Jaques Wagner.
Vice-líder do PMDB na Câmara, o deputado Lúcio Vieira Lima afirma em nota na coluna Poder Online, do portal iG, que decisão da oposição deve ser conhecida até o próximo dia 31. “O compromisso é que a gente tenha até o final de janeiro a decisão interna sobre o nome”.
Condutor do processo, cabe a ACM Neto escolher o cabeça de chapa entre o peemedebista Geddel Vieira Lima e o ex-governador Paulo Souto, do DEM.
Com Geddel, ACM tem de pé promessa de lhe retribuir apoio do PMDB no segundo turno da disputa pela Prefeitura de Salvador em 2012.
Já com Paulo Souto, o prefeito é motivado pelas pesquisas de intenção de voto, que apontam o ex-governador empatado com Geddel na primeira posição.
Favorece Paulo Souto ainda o clamor do PSDB, que pretende lançar como vice João Gualberto, empresário e ex-prefeito do município de Mata de São João. Os tucanos não confia 100% na aliança com o PMDB.
Os principais partidos de oposição ao governador baiano Jaques Wagner (PT) definiram o cronograma para a escolha do candidato que deverá enfrentar o PT na corrida eleitoral deste ano.
“O compromisso é que a gente tenha até o final de janeiro a decisão interna sobre o nome”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).
Os dois nomes mais fortes nesta disputa são de Paulo Souto (DEM) e do irmão de Lima, Geddel Vieira Lima (PMDB).
Vai rachar?
Não é descartada a possibilidade de os opositores se dividirem em mais de uma chapa para enfrentar o PT. Pelo menos é o que Geddel deixa claro. Embora cresçam especulações de que ele seria candidato ao Senado na chapa possivelmente encabeçada por Paulo Souto, peemedebista é categórico: “Ou saio candidato a governador ou não saio candidato a nada”.