papa
UOL
O papa Francisco está sob a mira da máfia calabresa, a ‘Ndrangheta, por causa de sua recente cruzada contra a corrupção no Vaticano. O alerta foi dado pelo juiz Nicola Gratteri, em entrevista ao jornal italiano “Il Fatto Quotidiano”. Para o Vaticano, “não há motivo real” para preocupação.
Segundo o magistrado, conhecido por combater a máfia na região da Calábria, a tentativa de Francisco de trazer mais transparência para o Vaticano deixou os mafiosos que fazem negócios com religiosos corruptos mais “nervosos e agitados”.
“O papa Francisco está desmantelando os centros do poder econômico do Vaticano. Os chefões da máfia não hesitariam em tentar qualquer coisa contra ele”, afirmou. “Não sei se o crime organizado está preparado para fazer algo, mas certamente está pensando a respeito. Eles podem ser muito perigosos.”
O Vaticano negou, nesta quinta-feira (14), que o papa Francisco esteja na mira de grupos mafiosos italianos.
“Não há nenhum motivo real para nos preocuparmos. Não é o caso de alimentar alarmes, estamos tranquilos”, disse o porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi.
Reforma no Banco do Vaticano
Francisco promoveu uma reforma no Banco do Vaticano depois que a instituição foi alvo de investigações por lavagem de dinheiro.
“A máfia que investe, que lava dinheiro, é a que tem o real poder. É essa que ficou rica com a conivência de anos da igreja”, disse Gratteri. “São essas pessoas que ficaram nervosas.”
O juiz atacou padres e bispos do sul da Itália que, segundo ele, legitimam a ação de mafiosos.
“Os padres locais costumam visitar as casas dos chefes da máfia para tomar um cafezinho. Isso dá força e poder popular para o crime”, afirmou.
Em 26 anos de trabalho, Gratteri contou nunca ter entrado na casa de um mafioso que não tenha uma imagem religiosa. Segundo uma pesquisa, 88% dos mafiosos presos na Itália se dizem religiosos.
“Os ritos de afiliação na máfia evocam a religião. A igreja e a ‘Ndrangheta caminham lado a lado”, disse. “Antes de matar, o mafioso reza. Ele pede proteção para Nossa Senhora.”