plataforma petroleoA cadeia de petróleo e gás da Bahia terá um novo impulso, após a conclusão da 12ª Rodada de Licitações, que será realizada nos 28 e 29 deste mês pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Na avaliação do secretário do Planejamento do Estado e ex-presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, os investimentos devem superar os US$ 10 bilhões nos próximos dez anos, com a oferta de 86 blocos exploratórios terrestres, de potencial para gás natural, contemplando tanto recursos convencionais quanto não convencionais nas bacias do Recôncavo e São Francisco, ambas localizadas em solo baiano.
De acordo com o secretário, as perspectivas são promissoras, pois cria um ambiente de negócio favorável ao fortalecimento da cadeia de fornecedores e também geração de emprego e renda. A análise foi compartilhada durante o seminário ‘Fundamentos da Exploração e Produção de Não Convencionais: a Experiência Canadense’, realizado nesta segunda-feira (11), na sede da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), em Salvador. 
O objetivo do evento foi estreitar as relações comerciais e compartilhar as experiências canadenses, que têm larga tradição na exploração e produção, em terra, de petróleo e gás em reservas não convencionais, os chamados shale oil e shale gas. 
Estiveram presentes o cônsul-geral do Canadá, Sanjeev Chowdhury, o diretor de Comércio e Investimento do Departamento de Relacionais Internacionais do Governo de Alberta, no Canadá, além de representantes do Comitê de Petróleo e Gás da Fieb e empresários do setor.
Potencial
Uma das oportunidades do setor refere-se ao gás natural em reservatórios não convencionais, que são aqueles retirados das rochas sedimentares de folhelho. Estimativas da ANP indicam que apenas a Bacia do Recôncavo possui 20 trilhões de pés cúbicos (TCF). “A reserva de gás natural armazenada em reservatórios convencionais de todo Brasil é da ordem de 16 TCF, ou seja, apenas a Bacia do Recôncavo pode conter 25% mais gás natural do que todo gás descoberto até hoje no país, o que daria para suprir a necessidade nacional durante quase 20 anos, desde que mantido o consumo atual”.
Ele disse ainda que apesar do desenvolvimento da produção de óleo e gás de reservatórios não convencionais assumirem proporções significativas em escala mundial, ainda é incipiente no Brasil, onde há atividade de exploração apenas na Bacia do São Francisco (Minas Gerais). “A possibilidade de encontrar shale gas e shale oil, que são produtos não convencionais, em uma das bacias exploratórias do estado, fortaleceria a economia estadual. Se aparecer gás temos infraestrutura para injetá-lo na economia baiana e brasileira, pois temos o Gasene, que liga a malha do Nordeste ao Sudeste”.