A expectativa de novos empreendimentos que serão atraídos pelos projetos do Porto Sul e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) levou a Bahiagás a definir o traçado da estrada de ferro como o segundo vetor em seu projeto de interiorização do gás natural. Essa informação foi divulgada nesta quarta-feira, 9, pelo diretor-presidente da empresa, Davidson Magalhães, em palestra no Rotary Club Jequié Norte, em Jequié.
Magalhães ressaltou que o primeiro eixo na estratégia de interiorizar a distribuição do gás se deu com a construção do Gasene, ligando o Extremo-Sul ao Recôncavo Baiano, com pontos de distribuição – os chamados citygates – em Mucuri, Eunápolis e Itabuna. “Na segunda etapa dessa estratégia, a Bahiagás levará gás natural para Jequié, Brumado, Vitória da Conquista e outros municípios do Sudoeste”, informou o presidente. Ele estima que as obras para viabilizar essa distribuição terão início até 2015, permitindo atender uma demanda elevada, principalmente devido à presença de indústrias do setor de mineração.
O processo de ampliação das redes de distribuição de gás natural na Bahia está vinculado à proposta de desconcentração do desenvolvimento do Estado, antes focado na Região Metropolitana de Salvador. Tanto que em 2007 o gás natural chegava apenas a 11 municípios do Estado: Feira de Santana e os outros 10 na RMS. “Nosso desafio desde o início foi ampliar a oferta, o que foi favorecido pela descoberta de reservas no campo de Manati, em Camamu, que tem uma produção diária de 6 milhões de metros cúbicos”, destacou Magalhães.
O presidente observou que a Bahia é hoje autossuficiente na produção do gás natural e acrescentou que a interiorização da oferta implicou em aumento expressivo das receitas da Bahiagás. Em 2007, a empresa de capital misto, que tem o Estado da Bahia como sócio majoritário, teve faturamento anual de R$ 7 milhões; em 2013, a projeção é de fechar o ano com faturamento superior a R$ 2 bilhões. O número de clientes ligados saltou de 2.400 para mais de 20 mil nos últimos cinco anos e os contratos passaram de 3 mil para 50 mil no mesmo intervalo.
Além da previsão de levar o gás ao Sudoeste do Estado, a Bahiagás investe em novas ligações no Sul da Bahia. Depois de atender o centro industrial de Itabuna, a empresa conclui a rede interna para suprir edifícios residenciais e comerciais, e o Shopping Jequitibá. Também já está licitada uma obra de R$ 13 milhões para fazer o gás natural chegar a Ilhéus.
Magalhães destacou em Jequié a importância da participação do empresariado, principalmente por meio dos clubes de serviço, no debate sobre a interiorização do gás natural. Segundo ele, o motivo é o fato do combustível ter relação direta com a atração de novos empreendimentos. “O empresariado deve se preparar para o impacto dessa ampliação, que beneficiará, por exemplo, o polo têxtil de Jequié”, enfatizou. Ainda segundo o presidente, há um esforço para eliminar o gargalo na logística de infraestrutura na Bahia, “que implica não somente em se investir em estradas, mas também no fornecimento de energia limpa e barata nas diversas regiões do Estado”.