maconhaA Câmara dos Deputados do Uruguai debate hoje a legalização da maconha. Para que a proposta seja aprovada, são necessários 50 dos 99 votos. Segundo analistas, o projeto tem o aval de 49 deputados, dependendo apenas da decisão de um parlamentar. Pesquisas apontam que 63% da opinião pública são contrários à iniciativa, que seria respaldada pelo Senado, de acordo com a bancada governista.
O deputado Darío Pérez, da Liga Federal, é o único da coalizão de esquerda que poderia frear a votação, segundo o diário uruguaio “El País”. A oposição já adiantou que votará contra a iniciativa. Fontes próximas a Pérez, no entanto, indicaram ao jornal que o deputado vai argumentar contra a proposta, mas acabará votando a favor.
Uma vez aprovado na Câmara, o projeto não deve sofrer alterações no Senado. Luis Gallo, da Frenta Ampla – à qual Mujica pertence-, garantiu ao “El País” que todos os senadores votarão a favor da proposta.
A legalização da venda da maconha está em estudo no Parlamento desde agosto do ano passado, quando o Executivo enviou uma proposta de artigo único que autorizava a produção, a venda e a distribuição pelo Estado, com o objetivo de combater o tráfico de drogas.
Depois de a Câmara elaborar um artigo alternativo, o próprio presidente José Mujica recuou e impediu a adoção da iniciativa em dezembro de 2012, alegando que a ideia ainda não estava madura.
– Não votem em uma lei porque têm maioria no Parlamento, a maioria tem de estar nas ruas. As pessoas têm que entender que, com tiros e colocando as pessoas na prisão, o que estamos fazendo é alimentar um mercado de drogas – afirmara Mujica aos legisladores.
Com base nesta posição de levar em conta a opinião pública, Pérez pediu ao presidente para rever a decisão de impulsionar a aprovação do projeto, mas obteve resposta negativa.