Ilheense conta, em tom de desabafo, que ligou para Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em busca de socorro para um rapaz que havia caída de considerável altura.
Na ligação, teria sido informado de que não havia ambulância. Para completar, o gentil atendente perguntou se o acidentado podia mexer as pernas. Em caso de resposta positiva, era só levantar e se preparar pra outra.
Espaço aberto.