WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
faculdade de ilheus
ilheus brindes
junho 2013
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  



MOVIMENTO PASSE LIVRE FOI CRIADO HÁ 13 ANOS POR MEMBROS DO PT

FOLHA
Passe_Livre_Bocão_NewsMarco zero das manifestações que tomaram o país, os recentes protestos do Movimento Passe Livre em São Paulo são fruto de uma experiência iniciada há 13 anos.
Começou com trotskistas do PT que, desiludidos com a política partidária e influenciados pelos movimentos antiglobalização, passaram a agir de forma autônoma.
O embrião, segundo militantes, surgiu em Florianópolis. Em 2000, esses petistas fizeram uma consulta nas escolas de ensino médio para definir uma “pauta de luta”. A opção mais votada foi a do passe livre para estudantes.
“Essa campanha foi sendo tocada de maneira bem modesta”, conta o jornalista catarinense Daniel Guimarães, que, aos 29 anos, é um veterano –milita há uma década. Nos primeiros passos, a opção foi impulsionar um projeto de lei na Câmara de Florianópolis, sem sucesso.
A mudança na forma de atuação ocorreu em 2003, quando estudantes de ensino médio de Salvador bloquearam ruas da cidade durante vários dias contra o aumento da tarifa –episódio que ficou conhecido como a Revolta do Buzu.
A experiência, divulgada principalmente pelo site Centro de Mídia Independente (CMI), rendeu duas lições.
A primeira, explica o militante do MPL e estudante de história da USP Caio Martins, 19, foi que, por ter sido espontâneo, o protesto não tinha representantes, e a negociação caiu no colo de entidades estudantis como a UNE (União Nacional dos Estudantes), que não participaram diretamente dos protestos.
Aparelhadas por partidos, assinaram um acordo que excluiu a revogação do aumento, principal reivindicação.
Outra lição foi o método: “Salvador ensina que é possível uma luta mais radicalizada, para tensionar o poder público”, afirma Guimarães.
O exemplo foi colocado em prática nas ruas de Florianópolis em 2004, quando, pela primeira vez, aparece o nome como é conhecido hoje. Na época, o movimento já era apartidário, reunindo trotskistas, anarquistas e militantes sem ideologia definida.
O roteiro, que seria repetido novamente em 2005, seguiu um roteiro semelhante ao de São Paulo: manifestações de estudantes no final da tarde com bloqueio de ruas e ataques a terminais.
A repressão policial também exagerou, mas os protestos continuaram, ganharam adesões e obtiveram a revogação da medida.
Guimarães afirma que os protestos no final da tarde são tanto para parar a cidade como para conseguir a simpatia de trabalhadores no final do expediente.
Já a ausência de carro de som e discursos é uma característica de São Paulo e serve para “rechaçar a história de usar o protesto como massa de manobra”, diz ele.
O movimento hoje está em cinco cidades: Goiânia, Brasília e Joinville (SC), além de Salvador e São Paulo, onde tem 80 militantes –de classe média e de média-baixa e idade média de 23 anos, de acordo com Guimarães.
“O MPL tem hoje uma visão madura, que entende apartidarismo como não antipartidário e dialoga bem com os partidos”, diz Pablo Ortellado, do curso de gestão de políticas públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP.
O sucesso recente criará “Lindberghs Farias”? “Duvido”, diz Ortellado, que escreve sobre o MPL desde 2004. “Eles são ideologicamente contra a forma Estado.

1 resposta para “MOVIMENTO PASSE LIVRE FOI CRIADO HÁ 13 ANOS POR MEMBROS DO PT”

  • Allan says:

    Precisamos sacudir o Brasil para o Ebola… Os aeroportos estão abertos para entrar e sair quem quiser, não existe fiscalização neste pais. Que vergonha. Já temos casos no Paraná…Precisamos ir para as ruas protestar pacificamente pedir solução…O governo Federal deve tomar medidas urgente.” ” E bola no Brasil tô Fora “”

Deixe seu comentário

dom eduardo

arquiteto











WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia