Enilda Mendonça. Foto: O Tabuleiro.

Enilda Mendonça. Foto: O Tabuleiro.

Em entrevista ao radialista Gil Gomes, durante o programa Alerta Geral (Rádio Santa Cruz AM), na manhã desta sexta (19), a professora Enilda Mendonça comentou a demora do município na discussão do novo regime trabalhista dos servidores municipais.
No ar, Enilda, que preside a Associação dos Professores Profissionais de Ilhéus (APPI), negou que tenha havido aval dos sindicatos para a mudança do regime de celetista para estatutário.
Segundo a sindicalista, o assunto foi rapidamente debatido com o atual secretário de administração, Ricardo Machado, quando ele ainda era subprocurador no governo de Newton Lima.
A principal preocupação dos sindicatos é com o gerenciamento da previdência. “Vamos vender nossa previdência a um banco?”, “Quem vai gerir o fundo?”, indagou.
Enilda comparou a mudança brusca do regime, sem discussão, a um jogo de futebol onde se criam as regras depois do apito final.
Contestou a posição da secretaria de administração em só abrir o debate quando o modelo já estiver pronto. Segundo ela, no momento, a única reivindicação dos seis sindicatos de servidores é a ampla discussão do estatuto.
Na conversa com Gil Gomes, Enilda comentou também a situação da educação na cidade. “O ano letivo ainda não começou”, disse, ao falar sobre a falta de professores e o fechamento de escolas por toda a cidade.
A sindicalista não descarta a possibilidade de acionar o Ministério Público para tentar resolver o problema.
Ouça abaixo a entrevista.